últimas notícias

Acervo

Casa de leilões Phillips avalia relógios caros e de luxos

Os representantes Paul Boutros e Susan Abeles desembarcaram em São Paulo para fazer negócios com os acessórios Por Priscila Freitas De São Paulo

Desde 2015, a Dedalo abriu as portas do mercado brasileiro de leilões para Christie's, agora chegou a vez da Phillips (terceira maior do mundo, só atrás de Sothebys e Christie's) desembarcar por aqui.

A Dedalo tem crescido uma média de 20% ao ano e, como líder no mercado de leilões de luxo e colecionismo, seus resultados representam como vai esse mercado, comprovando que o brasileiro se interessa cada vez mais na aquisição de bens em formato como esse.

Contudo, não é só o brasileiro que tem aumentado seu interesse em fazer suas ofertas em leilões, as gigantes internacionais estão de olho no país. A justificativa é que hoje o Brasil é considerado um país com valores mais acessíveis, ou seja, os itens de luxo usados aqui estão mais baratos em comparação com outros países. A primeira imersão para sentir o mercado brasileiro aconteceu no dia 14 de março, quando duas das maiores autoridades do mundo avaliaram relógios raros e de luxo, Paul Boutros, chefe de departamento de relógios nas Américas (sediado em NY), e Susan Abeles, chefe de departamento de joias nas Americas (também sediada em NY). Além de sentir o mercado, aproveitaram para selecionar peças para serem ofertadas por eles em suas casas de Nova York, Genebra e Hong Kong. Vale lembrar que a Phillips detém o recorde do relógio com maior arrecadação do mundo: um Rolex Daytona que foi vendido por 17 milhões de dólares em um de seus leilões.

A empresa também conquistou cerca de US$ 180 milhões em vendas no ano de 2018 nos seus endereços nas cidades de Nova York, Genebra e Hong Kong, e é líder no mercado global de leilões de relógios.

Já a Dedalo Leilões, referência no mercado nacional de itens de colecionismo, realiza periodicamente leilões de joias e relógios em São Paulo.

Tops da Gazeta