últimas notícias

Acervo

Veículos de Eike Batista são leiloados para revendedoras de carros de luxo

Todos os bens estavam bloqueados pela Justiça desde 2015, quando Eike passou a ser alvo de operações policiais sob suspeita de lavagem de dinheiro e evasão de divisas Por Folhapress

A Lamborghini Aventador e o Porsche Cayenne do empresário Eike Batista, condenado na Operação Lava Jato, foram arrematados por empresas de comercialização de carros de luxo.

A Paíto Motors, de Araras (SP), comprou na terça-feira (9) a Lamborghini por R$ 1,409 milhão. Já o Porsche foi arrematado pela concessionária Ago, que fica na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio de Janeiro), por R$ 236,9 mil. Uma lancha de Eike também foi arrematada na última terça. A "Spirit of Brazil" foi vendida por R$ 1,921 milhão para a empresa EMM Participações.

Todos os bens estavam bloqueados pela Justiça desde 2015, quando Eike passou a ser alvo de operações policiais sob suspeita de lavagem de dinheiro e evasão de divisas durante a derrocada das empresas X.

O leilão foi feito por autorização da juíza Rosália Monteiro Figueira, da 3ª Vara Federal Criminal. Ela é responsável pela ação penal contra Eike por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O processo tem como alvos a evolução patrimonial, além de negociações de ações em Bolsa, doações de bens e remessas ao exterior.

O certame foi organizado a pedido do próprio empresário em junho de 2017. No início daquele ano ele foi preso na Operação Eficiência, sob acusação de pagar US$ 16,5 milhões ao ex-governador Sérgio Cabral. Eike foi condenado no caso a 30 anos de prisão pelo juiz Marcelo Bretas.

O leilão tem como objetivo impedir a deterioração dos bens do empresário. O valor será depositado numa conta da Justiça e será usado no pagamento de eventuais multas em caso de condenação definitiva. Já foram obtidos quase R$ 18 milhões com as vendas.

O Porsche vendido no dia 2 foi inclusive pivô de uma polêmica com o juiz Flávio Roberto de Souza, à época titular da 3ª Vara e responsável pela apreensão dos bens de Eike. O magistrado levou o veículo para casa e foi flagrado passeando com o carro - o juiz também havia deixado um piano do empresário na sala de sua casa.

Souza foi condenado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, a 7 anos de reclusão pelo episódio. O magistrado recorre da decisão.

Os valores obtidos pela 3ª Vara na Lamborghini e na lancha são menores do que o que seria exigido pela 7ª Vara, do juiz Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro. O carro seria oferecido na próxima quinta-feira (18) por R$ 1,8 milhão e a lancha, por R$ 2,8 milhões.

A Lamborghini já havia sido oferecida no dia 2 por R$ 1,76 milhões e a lancha, por R$ 2,4 milhões sem interessados.

No fim do ano passado, um iate do empresário já havia sido vendido por R$ 14,4 milhões. A embarcação tem capacidade para 21 passageiros e conta com quatro quartos, dos quais duas suítes, e garagem para dois jet skis.

Em 2012, no auge da operação de seu grupo de empresas de petróleo, mineração e energia, Eike teve uma fortuna calculada em US$ 30 bilhões.

Na época ele foi apontado como o sétimo homem mais rico do mundo pela revista Forbes.

No ano seguinte, seu império começou a ruir quando as estimativas de produção da petroleira OGX não se confirmaram.

O valor das ações das empresas do grupo listadas na bolsa passaram a cair fortemente, levando o grupo EBX à derrocada em menos de um ano.

Eike tornou-se o primeiro integrante da lista dos dez mais ricos da Forbes a ser preso desde a prisão do traficante Pablo Escobar, em 1991.

Tops da Gazeta

Veículos de Eike Batista são leiloados para revendedoras de carros de luxoVeículos de Eike Batista são leiloados para revendedoras de carros de luxo
últimas notícias

Acervo

Veículos de Eike Batista são leiloados para revendedoras de carros de luxo

Todos os bens estavam bloqueados pela Justiça desde 2015, quando Eike passou a ser alvo de operações policiais sob suspeita de lavagem de dinheiro e evasão de divisas Por Folhapress

A Lamborghini Aventador e o Porsche Cayenne do empresário Eike Batista, condenado na Operação Lava Jato, foram arrematados por empresas de comercialização de carros de luxo.

A Paíto Motors, de Araras (SP), comprou na terça-feira (9) a Lamborghini por R$ 1,409 milhão. Já o Porsche foi arrematado pela concessionária Ago, que fica na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio de Janeiro), por R$ 236,9 mil. Uma lancha de Eike também foi arrematada na última terça. A "Spirit of Brazil" foi vendida por R$ 1,921 milhão para a empresa EMM Participações.

Todos os bens estavam bloqueados pela Justiça desde 2015, quando Eike passou a ser alvo de operações policiais sob suspeita de lavagem de dinheiro e evasão de divisas durante a derrocada das empresas X.

O leilão foi feito por autorização da juíza Rosália Monteiro Figueira, da 3ª Vara Federal Criminal. Ela é responsável pela ação penal contra Eike por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O processo tem como alvos a evolução patrimonial, além de negociações de ações em Bolsa, doações de bens e remessas ao exterior.

O certame foi organizado a pedido do próprio empresário em junho de 2017. No início daquele ano ele foi preso na Operação Eficiência, sob acusação de pagar US$ 16,5 milhões ao ex-governador Sérgio Cabral. Eike foi condenado no caso a 30 anos de prisão pelo juiz Marcelo Bretas.

O leilão tem como objetivo impedir a deterioração dos bens do empresário. O valor será depositado numa conta da Justiça e será usado no pagamento de eventuais multas em caso de condenação definitiva. Já foram obtidos quase R$ 18 milhões com as vendas.

O Porsche vendido no dia 2 foi inclusive pivô de uma polêmica com o juiz Flávio Roberto de Souza, à época titular da 3ª Vara e responsável pela apreensão dos bens de Eike. O magistrado levou o veículo para casa e foi flagrado passeando com o carro - o juiz também havia deixado um piano do empresário na sala de sua casa.

Souza foi condenado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, a 7 anos de reclusão pelo episódio. O magistrado recorre da decisão.

Os valores obtidos pela 3ª Vara na Lamborghini e na lancha são menores do que o que seria exigido pela 7ª Vara, do juiz Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro. O carro seria oferecido na próxima quinta-feira (18) por R$ 1,8 milhão e a lancha, por R$ 2,8 milhões.

A Lamborghini já havia sido oferecida no dia 2 por R$ 1,76 milhões e a lancha, por R$ 2,4 milhões sem interessados.

No fim do ano passado, um iate do empresário já havia sido vendido por R$ 14,4 milhões. A embarcação tem capacidade para 21 passageiros e conta com quatro quartos, dos quais duas suítes, e garagem para dois jet skis.

Em 2012, no auge da operação de seu grupo de empresas de petróleo, mineração e energia, Eike teve uma fortuna calculada em US$ 30 bilhões.

Na época ele foi apontado como o sétimo homem mais rico do mundo pela revista Forbes.

No ano seguinte, seu império começou a ruir quando as estimativas de produção da petroleira OGX não se confirmaram.

O valor das ações das empresas do grupo listadas na bolsa passaram a cair fortemente, levando o grupo EBX à derrocada em menos de um ano.

Eike tornou-se o primeiro integrante da lista dos dez mais ricos da Forbes a ser preso desde a prisão do traficante Pablo Escobar, em 1991.

Tops da Gazeta