Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Quarta, 20 Março 2019 15:26

Professores da rede municipal param por tempo indeterminado em Cubatão

Educadores perderam a paciência com o prefeito Ademario Oliveira. Cidade possui 55 escolas públicas e pouco mais de 15 mil alunos
Os professores de Cubatão voltaram a se manifestar no Paço MUnicipal, hoje, 9 horas Os professores de Cubatão voltaram a se manifestar no Paço MUnicipal, hoje, 9 horas Divulgação
Por Diário do Litoral
De Santos

Acabou a paciência. Os 1,3 mil professores da rede municipal de ensino de Cubatão entram, hoje (20), em greve por tempo indeterminado. Depois de várias paralisações, protestos e passeatas, os educadores tinham dado trégua até o dia 15, para que a Administração apresentasse á Câmara Municipal um projeto que restabelecesse os 30% de adicional nos salários de quem possui graduação superior, que foi corptado por determinação da Justiça.

Cubatão possui 55 escolas da rede pública e pouco mais de 15 mil alunos. A greve foi confirmada ontem (19) após a reunião dos diretores do Sindicato dos Professores Municipais de Cubatão e o prefeito Ademário Oliveira. De acordo com os sindicalistas, a reunião foi "improdutiva" já que Oliveira não apresentou nenhuma proposta. Hoje, às 9 horas, os educadores realizam uma manifestação no Paço Municipal.

Eles reivindicam recomposição salarial referente à redução de 30% dos proventos do Infantil e Fundamental 1, o fim dos processos de desaposentadoria, a garantia de aposentadoria sobre a jornada total e o pagamento do piso nacional do magistério para o infantil 1 e condições dignas de trabalho, pois alegam que as escolas do município estão destruídas.O Executivo tinha se comprometido eviar à Câmara Municipal um projeto de lei para resolver, principalmente, a questão da redução salarial, até dia 15 deste março, mas nada aconteceu.

Prefeitura

A Assessoria de Imprensa informou que:"o governo aguarda decisão da Justiça na próxima quinta-feira (21). Entretanto está avançando com proposta para solucionar a questão. Foi constituída uma comissão especialmente para esse fim". Disse ainda que "Através de seus representantes, a Administração Municipal ressaltou que o pagamento do professor de Educação I já está sendo realizado tendo como referência o Piso Nacional. A questão foi regularizada em 18 de fevereiro de 2019 com a entrada em vigor da Lei nº 3.970 que fixa o piso salarial municipal do magistério público de educação básica, e dá outras providências".


*Por Glauco Braga, do Diário do Litoral

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado