últimas notícias

Sabesp contesta estudo sobre água da Baixada Santista

Companhia afirma que o tratamento segue todas as exigências previstas por lei Por Carlos Ratton De Santos

O gerente do Departamento de Produção de Água e Tratamento de Esgoto da Baixada Santista, engenheiro Nicolas Alvarez Gonzalez, garante que a água produzida pela Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) é segura e própria para o consumo.

Quanto à qualidade das águas dos rios/mananciais usados para o abastecimento, afirma que o tratamento desta água bruta realizado pela companhia segue rigorosamente todas as exigências previstas por lei e cuidados necessários para a distribuição de água potável aos imóveis.

A contestação é uma resposta à reportagem veiculada pelo jornal Diário do Litoral, no último domingo (16), sobre um estudo realizado pelo cirurgião-dentista Ciro Capitani dos Santos, e o químico e ambientalista Élio Lopes, revela os perigos da presença do ácido fluosilíssico (flúor) na água que abastece a Baixada Santista. Com metais pesados em sua composição, o ácido fluosilíssico (flúor) é proveniente da indústria de fertilizantes, sendo considerado cancerígeno. A pesquisa foi apresentada no último dia 3, no Simpósio Santos Sustentável, durante palestra intitulada "Saneamento Ambiental: Água, Esgoto e Resíduos Sólidos". As informações foram reveladas à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual.

No entanto, a Sabesp esclarece que realiza, sistematicamente, o monitoramento de qualidade da água tratada e distribuída em todos os municípios que opera, conforme as exigências da Portaria de Potabilidade vigente. A água fornecida à população obedece a parâmetros definidos pelo Ministério da Saúde e a legislação também estabelece a frequência do monitoramento que deve ser realizado no controle de qualidade da água tratada e distribuída.

Para isso, informa, são realizados 90 tipos de testes e mais de 90 mil análises mensais, que aferem turbidez, cor, cloro, coliformes totais, metais, agrotóxicos, dentre outros. Este trabalho é realizado em 16 laboratórios de controle sanitário em todo Estado. Na Baixada Santista, o laboratório realiza diariamente cerca de 550 análises em todo sistema integrado de abastecimento de água nas quais são avaliados todos os parâmetros exigidos por legislação vigente, desde os mananciais até o cavalete dos imóveis.

Os relatórios de qualidade da água são enviados mensalmente ao Ministério da Saúde e também são disponibilizados às Vigilâncias Sanitárias dos municípios operados. Os clientes podem conhecer os resultados na própria conta de água. A Sabesp ainda conta com uma equipe de degustadores: especialistas formados por químicos, biólogos e técnicos responsáveis para análise de variáveis no sabor, aroma e densidade do líquido.

Tops da Gazeta