últimas notícias

Moradores sofrem com esgoto a céu aberto em Itanhaém, no litoral de SP

Situação é crítica no bairro Jardim Oásis, um dos mais populosos da cidade Por Diário do Litoral De Santos

Valas, mato e esgoto a céu aberto. Essa é a rotina de várias famílias que convivem com esta crítica situação no final da rua João Antonio, no bairro Jardim Oásis, um dos mais populosos de Itanhaém. Essas famílias já recorreram à Prefeitura e ao Poder Legislativo do município, porém, até o momento, não tiveram a solução do problema.

Há 13 anos morando na rua João Antonio, a dona de casa Givalda Dantas Guedes, 57 anos, afirma que o problema piora com as chuvas fortes no local. "Quando vem a chuva, a situação é bem pior, pois aparecem ratos, cobras e sapos em nossas casas. Com as enchentes, a água entra em casa e o esgoto sobe pelo ralo do banheiro", salientou.

Ela contou que alguns moradores instalaram, por conta própria, uma pequena tubulação em frente à casa para o escoamento do esgoto em outra vala. Existe ainda um "valão" que passa atrás das casas dos moradores e deságua no final de outra vala. Além do mau cheiro, os moradores e as crianças correm o risco de pegar diversas doenças.

Givalda explica que já foram feitas diversas reclamações à Prefeitura de Itanhaém e também um abaixo-assinado enviado ao vereador Edinaldo dos Santos Barros (PSDB), na Câmara Municipal. A dona de casa esclarece que, apesar de sua casa estar localizada em uma área de posse, ela paga o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) à prefeitura.

Outro morador que também reclamou é o autônomo Douglas dos Santos Assis, 39 anos, e que mora há 14 anos na mesma rua. "O problema maior é o "valão" que traz o esgoto de outras ruas próximas para a vala no final da nossa rua, já que não existe rede de saneamento básico".

Ele afirma que já estão cansados de reclamar aos poderes públicos. "Na última eleição, fizemos até uma proposta aos candidatos para que eles pagassem a tubulação e nós entraríamos com a mão de obra, mas não fizeram nada". Assis lembra ainda o risco de o local se tornar foco do mosquito da dengue. "O único serviço feito pela prefeitura é a roçada do mato, mesmo assim, ocorre, no máximo, duas vezes ao ano", desabafou o morador.

Conforme os moradores, na primeira gestão do atual prefeito Marco Aurélio Gomes (PSDB), a prefeitura garantiu que havia um projeto para a construção de uma praça e que iria transferir as famílias para um conjunto de moradia popular.

"Sabemos que 12 famílias da rua já foram morar num conjunto de casas populares no bairro, mas a praça não chegou a ser construída e nem todos os moradores puderam sair", afirmou Enavaldo Dantas de Oliveira, irmão de Givalda.

A rua João Antonio é sem saída. Na última quadra da rua moram cerca de 20 famílias e 33 crianças, sem calçamento e nem rede de saneamento básico. Segundo os moradores, o carteiro e o caminhão de lixo também não entram neste trecho da rua, mas o caminhão fica na esquina e os coletores recolhem o lixo nas casas, três vezes por semana. A via está localizada a duas quadras da rua Emídio de Souza, uma das principais do bairro, onde está a escola municipal Harry Forssell.

OUTRO LADO

A prefeitura de Itanhaém explicou que a região do Jardim Oásis foi uma das que mais recebeu investimentos. No bairro foi construído o Centro de Artes e Esportes Unificados Mosca Diz (CEU) que oferece à população programas de ações socioculturais, por meio de biblioteca, cine teatro, laboratório multimídia, sala de oficinas, pista de skate, playground e outras atividades. E no terreno ao lado está sendo construída uma creche.

Quanto à limpeza do mato, segundo a prefeitura, a equipe da secretaria municipal de Serviços e Urbanização segue um cronograma de zeladoria nos bairros. Em maio, um mutirão de limpeza e roçada foi realizado no Jardim Oásis. Mas garante que os profissionais retornarão ao local para verificar as condições.

A Administração ressalta ainda que está em andamento a assinatura de um convênio entre a Prefeitura e a Sabesp, onde toda a cidade será contemplada com o programa "Onda Limpa", que prevê, num prazo de 30 anos, tratar 100% do esgoto coletado com a ampliação da rede.

Conforme o plano de governo, a prefeitura disse que não consta a construção de uma praça na rua João Antônio, apenas a revitalização da Praça Antônio Ferreira de Souza, ao lado da escola municipal Harry Forssell.

Quanto à rede de coleta de esgoto no município, a Sabesp esclarece que o bairro Jardim Oásis já conta com rede coletora de esgoto em operação, exceto as ruas que não possuem a devida regularização fundiária, onde a legislação impede a companhia de atuar. Hoje a cobertura é de 56% de saneamento básico na cidade.

Já o vereador Edinaldo dos Santos Barros (PSDB), conhecido como Naldo do Bodeguita, disse que já esteve no local e apresentou requerimento na Câmara, dia 20 de maio, pedindo à Sabesp sobre a possibilidade de implantar a rede de esgoto na rua João Antonio. O requerimento foi encaminhado à prefeitura de Itanhaém e à Sabesp.


*Por Nayara Martins, do Diário do Litoral

Tops da Gazeta