últimas notícias

Acervo

Homem tenta matar primo dentro de loja de roupas em Praia Grande

Em depoimento à polícia, o acusado admitiu ter cometido o crime, alegando que teria sido abusado sexualmente pela vítima quando era criança Por Folhapress De São Paulo

Um homem de 25 anos tentou matar o próprio primo, por volta das 20h de terça-feira (13), pouco antes da loja da vítima ser fechada, na Praia Grande (71 km de SP). Em depoimento à polícia, o acusado admitiu ter cometido o crime, alegando que teria sido abusado sexualmente pela vítima quando era criança.

Segundo a polícia, o tiro dado pelo suspeito atingiu a vítima, um comerciante de 28 anos, em um dos ombros. O rapaz baleado foi encaminhado ao hospital Irmã Dulce, onde permanecia internado até a publicação desta reportagem. Ele não corre risco de morrer.

O acusado, segundo registrado pela Polícia Civil, trabalhava panfletando promoções da loja de roupas da vítima, localizada dentro de um posto de combustíveis do bairro Tude Bastos.

Quando o horário de fechamento do estabelecimento se aproximava, o acusado, já dentro da loja, sacou uma arma de fogo e atirou contra o parente. Ainda de acordo com a polícia, o comerciante tentou se esconder atrás do balcão, mas mesmo assim foi atingido.

Após ferir o primo, o acusado guardou a arma dentro de uma mochila e tentou fugir. Porém, ele foi rendido por um agente penitenciário de folga, que estava perto do posto no momento da tentativa de homicídio. Em seguida, a Polícia Militar foi acionada.

Em depoimento à polícia, o acusado alegou que foi abusado sexualmente pelo primo quando tinha 12 anos. Na ocasião, o comerciante baleado contava com 15.

O suspeito foi preso em flagrante e indiciado por tentativa de homicídio. O caso foi registrado na Delegacia Sede de Praia Grande, que vai investigar o caso.

Tentativa de assassinato

Segundo a SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB), foram registrados 17 casos de tentativa de homicídio, na Praia Grande, entre janeiro e junho deste ano. No mesmo período do ano passado, foram 13 casos do tipo, representando alta de 30%.

Tops da Gazeta