últimas notícias

Sem verba, USP devolve imóvel para Prefeitura de Santos

O anúncio da revogação foi publicado na edição de ontem (4) do Diário Oficial de Santos Por Diário do Litoral De Santos

Os projetos da Universidade de São Paulo (USP) para a Baixada Santista ficaram mais distantes. Isso porque a USP devolveu o imóvel que havia sido cedido pela Prefeitura de Santos por falta de recursos para as obras necessárias. O anúncio da revogação foi publicado na edição de ontem (4) do Diário Oficial de Santos.

A edificação conhecida por 'Garagem dos Bondes' (Praça Narciso de Andrade, na Vila Matias) foi cedida à Universidade em 2013. Apesar disso, "nunca foi ocupada pela Escola Politécnica e sempre foi de uso exclusivo da Prefeitura de Santos", conforme a Diretoria da Escola Politécnica da USP.

Atualmente no local funcionam garagem e oficinas de troleibus, borracharia e escritório da Administração Municipal.

Em nota, a USP esclareceu ainda que "não dispõe de recursos para as obras necessárias para viabilizar o uso do referido espaço". Por isso, universidade e Administração Municipal acordaram que o imóvel seja devolvido.

O Decreto nº 8571 - publicado ontem - também renova o termo de cooperação técnica entre a USP e a Prefeitura, assinado em 2013. Dessa forma, o imóvel situado imediatamente ao lado do terreno devolvido continua cedido à universidade. No local, a Escola Politécnica mantém seu curso de Engenharia de Petróleo, bem como os seus laboratórios de ensino e de pesquisa, como o InTRA - sigla para Integrações Tecnológicas em Análises de Rochas e Fluidos. "A permissão de uso desta área continua sendo da Escola Politécnica, como definido nos acordos iniciais", finalizou a USP.

Histórico

O jornal Diário do Litoral acompanha os planos da instituição para a região. Matéria publicada em março de 2016 já falava sobre a paralisação da construção de novo campus. Orçado em R$ 68,6 milhões, o projeto previa construção de um campus para receber estudantes de graduação e pós-graduação.

Um termo de cooperação técnica foi firmado entre a Prefeitura e a universidade em agosto de 2013 e a obra estava prevista para ter início até julho de 2014, com prazo de 18 meses para término. No entanto, a construção foi suspensa em abril de 2014 por falta de recursos.

Na época, a USP esclareceu que em função das restrições orçamentárias desde 2014, estava suspenso o início de novas obras e não havia prazo para que fossem retomadas.


*Por Caroline Souza, do Diário do Litoral

Tops da Gazeta