últimas notícias

Líderes da Coreia do Norte e do Sul vão se encontrar em Pyongyang em setembro

Durante a primeira cúpula entre Kim e Moon, em abril, eles já tinham previsto uma reunião na capital norte-coreana durante o outono no hemisfério norte Por Folhapress De São Paulo

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o ditador norte-coreano, Kim Jong-un, irão se encontrar em setembro em Pyongyang em uma data ainda não definida, anunciou nesta segunda-feira (13) a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

A reunião é um novo passo na tentativa de melhorar a cooperação entre as antigas rivais, mesmo enquanto crescem as dúvidas sobre os esforços norte-coreanos para acabar com seu programa de armas nucleares.

Caso a cúpula de fato aconteça, a viagem do presidente Moon a Pyongyang será a primeira de um chefe de Estado sul-coreano em mais de dez anos e o terceiro encontro entre os dois em 2018.

Durante a primeira cúpula entre Kim e Moon, em abril, eles já tinham previsto uma reunião na capital norte-coreana durante o outono no hemisfério norte (primavera no Brasil), mas até o momento não havia confirmação de que o encontro aconteceria.

"As delegações decidiram que durante a reunião em setembro em Pyongyang, como estava previsto, haverá um encontro de cúpula entre Norte e Sul", indicou a Yonhap.

O acordo para o novo encontro foi feito durante conversas realizadas nesta segunda por representantes dos dois governos na vila fronteiriça de Panmunjom, que fica na Zona Desmilitarizada (DMZ) que separa as Coreias e que foi palco das duas reuniões anteriores entre Kim e Moon, realizadas este ano.

Após dois anos de escalada de tensão, provocada pelos programas programas balístico e nuclear da Coreia do Norte, Pyongyang e Seul protagonizaram uma aproximação desde o início do ano, que se concretizou em abril com a reunião entre Kim e Moon, que preparou também o caminho para o encontro, em junho, do ditador com o presidente americano Donald Trump em Singapura.

No encontro, Kim se comprometeu a trabalhar para a desnuclearização da península, mas ainda não há um prazo concreto de quando isso vai acontecer.

Tops da Gazeta