últimas notícias

Mianmar diz que relatório da ONU faz alegações falsas

O relatório marca a primeira vez em que a organização pede que autoridades de Mianmar sejam acusadas de genocídio da minoria rohingya Por Folhapress De São Paulo

Mianmar rejeitou nesta quarta-feira (29) o relatório em que investigadores da ONU pedem que o Exército seja processado pelo genocídio da minoria rohingya, dizendo que o texto faz "alegações falsas".

O relatório marca a primeira vez em que a organização pede que autoridades de Mianmar sejam acusadas de genocídio. Até agora, a ONU chamava a campanha de repressão contra os rohingyas de limpeza étnica.

"Nossa posição é clara, e quero dizer que não aceitamos quaisquer resoluções conduzidas pelo Conselho de Direitos Humanos", afirmou o porta-voz Zaw Htay à mídia estatal.

A missão foi formada pelo conselho em 2017. Mianmar, no entanto, não permitiu que os investigadores entrassem no país.

"Por isso não concordamos e não aceitamos quaisquer resoluções feitas pelo Conselho de Direitos Humanos", disse Zaw Htay.

O porta-voz afirmou que o país tem uma política de "tolerância zero contra violações de direitos humanos" e estabeleceu uma comissão de inquérito para responder às "falsas alegações" feitas pela ONU e "outras comunidades internacionais".

Neste ano, o governo de Mianmar criou um painel constituído por dois membros nacionais e dois internacionais - a diplomata filipina Rosario Manalo e o ex-embaixador do Japão junto à ONU, Kenzo Oshima.

O governo da líder Aung San Suu Kyi afirma que o Exército do país respondeu a uma ameaça legítima imposta por militantes rohingyas, que atacaram postos da polícia no estado de Rakhine.

Cerca de 700 mil rohingyas fugiram da repressão militar no estado de Rakhine para a vizinha Bangladesh desde agosto do ano passado.

Tops da Gazeta