Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Sexta, 19 Outubro 2018 13:28

Equador expulsa embaixador da Venezuela após chavista criticar presidente

Ao comentar o discurso do presidente equatoriano na Assembleia-Geral da ONU, o embaixador Jorge Rodríguez chamou Lenin Moreno de mentiroso
A Chancelaria venezuelana classificou de extravagante, intolerante e desproporcional a reação do Equador às declarações de Jorge Rodríguez A Chancelaria venezuelana classificou de extravagante, intolerante e desproporcional a reação do Equador às declarações de Jorge Rodríguez Divulgação
Por Folhapress
De São Paulo

O governo do Equador expulsou nesta quinta-feira (18) o embaixador da Venezuela em Quito em retaliação a críticas do ministro das Comunicações venezuelano, Jorge Rodríguez, ao presidente Lenín Moreno.

Ao comentar o discurso do equatoriano na Assembleia-Geral da ONU, em que ele citou a imigração de venezuelanos ao país, Rodríguez chamou Moreno de mentiroso e disse que ele foi ordenado para montar a crise migratória, que chamou de farsa.

O presidente equatoriano respondeu: "A ofensa de um miserável sempre enobrece". Em retaliação, Caracas expulsou a encarregada de negócios equatoriana, Elizabeth Méndez, que já estava em Quito para consultas.

O Equador, forte aliado do chavismo durante o governo de Rafael Correa (2007-17), chamou Méndez para consultas. Em meio à polêmica, Maduro declarou que ama o Equador, mas disparou contra Moreno.

"A história só recorda os valentes, os leais. Os traidores e os covardes serão esquecidos (...). Todos que se metem com a Venezuela secam, e os traidores de ontem e de hoje secarão".

A Chancelaria venezuelana classificou de extravagante, intolerante e desproporcional a reação do Equador às declarações de Rodríguez. "Moreno, em um inaudito ato de agressão contra a Venezuela, dedicou um quarto do tempo de sua intervenção para mentir sobre a realidade do fenômeno migratório."

Segundo a Chancelaria, o equatoriano "mentiu" sobre o volume de emigrantes, sobre a atenção que os venezuelanos recebem no Equador e sobre as condições de saúde no país. "É evidente que toda esta falaciosa e hostil argumentação (...) são mera consequência do novo papel atribuído ao governo equatoriano" por Washington, acrescentou.

O governo socialista venezuelano nega que haja uma crise humanitária pela situação socioeconômica, e diz que isso faz parte da campanha internacional contra Maduro.

A ONU calcula que cerca de 1,9 milhão de pessoas deixaram a Venezuela desde 2015, a maioria para países da região, principalmente Colômbia, Peru e Brasil.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado