Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Quinta, 11 Abril 2019 13:00

Fundador do WikiLeaks é preso na embaixada do Equador na Inglaterra

Assange estava asilado no local desde 2012, após ter sido responsável por um enorme vazamento de documentos confidenciais do governo dos EUA em 2010
Em novembro de 2018, o Wikileaks apontou que Assange estava sendo processado de forma secreta pelos EUA Em novembro de 2018, o Wikileaks apontou que Assange estava sendo processado de forma secreta pelos EUA Divulgação
Por Folhapress

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, 47, foi preso pela polícia britânica na manhã desta quinta-feira (11) na embaixada do Equador em Londres, no Reino Unido, em processo relacionado a um pedido de extradição feito pelos Estados Unidos.

Ele estava asilado no local desde 2012, após ter sido responsável, junto com o Wikileaks, por um enorme vazamento de documentos confidenciais do governo dos EUA em 2010.

Procuradores dos EUA disseram que Assange está sendo processado por conspiração e por tentar violar as senhas e invadir um computador do Departamento de Defesa dos Estados Unidos que guardava informações confidenciais, num caso que envolveu a ex-analista de inteligência do Exército Chelsea Manning.

Manning, presa em 2010, foi condenada a 35 anos de prisão por vazar documentos ao Wikileaks, mas teve a pena reduzida por decisão do então presidente Barack Obama e foi solta em 2017.

O Departamento de Justiça dos EUA informou que Assange pode ser condenado a no máximo cinco anos de prisão por este processo.

O governo britânico explicou que a decisão de atender ou não ao pedido dos EUA será tomada por um juiz da corte de Westminster, que levará em conta se o réu está sendo processado apenas por suas posições políticas, o tempo desde a realização dos crimes e a condição de saúde dele, entre outros fatores.

Alan Duncan, ministro britânico do Exterior, afirmou que Assange não será extraditado aos EUA se houver a possibilidade de ele ser condenado à pena de morte. "É nossa política em todas as circunstâncias, então isso se aplica igualmente a Assange. Ele não será extraditado se tiver de encarar a pena de morte."

Em novembro, o Wikileaks apontou que Assange estava sendo processado de forma secreta pelos Estados Unidos. O governo norte-americano não confirmou a informação na época.

Assange também enfrenta outro processo. Nesta quinta-feira, ele foi levado a uma audiência em Londres, após ser preso, e condenado pela Justiça britânica sob acusação de violar as regras da liberdade condicional, por não comparecer a uma audiência em 2012.

A sentença, que deve ser divulgada até o mês que vem, pode chegar a um ano de prisão. Uma nova audiência, a ser realizada por vídeo, foi marcada para 2 de maio.

Após a prisão, o ministro britânico do Interior, Sajid Javid, agradeceu a cooperação do Equador e disse que "ninguém está acima da lei". Um vídeo divulgado pela agência estatal russa RT mostra o momento da prisão.

A agência russa foi a única a registrar o momento, porque manteve repórteres de plantão na frente da embaixada 24 horas por dia desde a semana passada.

O presidente do Equador, Lenín Moreno, contou ter pedido ao Reino Unido garantias de que o fundador do Wikileaks não seja deportado para um país onde possa ser alvo de tortura ou de pena de morte.

"O governo do Reino Unido confirmou isso por escrito, de acordo com suas regras", afirmou Moreno.

SETE ANOS NA EMBAIXADA

Detido em dezembro de 2010 na Inglaterra, Assange era alvo de uma investigação na Suécia por abuso sexual.

Ele foi liberado alguns dias depois mediante pagamento de fiança, mas não conseguiu reverter o processo de extradição. Como último recurso, buscou refúgio na representação diplomática equatoriana.

Assange passou a viver na embaixada e obteve a cidadania equatoriana em dezembro de 2017. No entanto, a cidadania foi cancelada pelo governo nesta quarta-feira (10).

Procuradores da Suécia decidiram arquivar o processo em 2017, pela impossibilidade de ouvi-lo. Eles foram surpreendidos com a prisão desta quinta-feira. "Também não sabíamos que ele seria preso. Estamos acompanhando os desdobramentos", disse Ingrid Isgren, chefe dos procuradores da Suécia.

O temor de Assange era que as autoridades suecas acabassem entregando-o aos Estados Unidos, onde o programador australiano é persona non grata por ter revelado centenas de documentos secretos do governo, incluindo comunicações sobre as campanhas americanas nas guerras do Afeganistão e do Iraque.

A prisão acabou sendo possível com a cooperação do Equador. A polícia metropolitana de Londres disse que foi chamada pelo embaixador do Equador após o pais retirar o asilo que protegia Assange.

A indisposição do governo equatoriano com o fundador do WikiLeaks vinha se acentuando nos últimos meses.
Segundo o jornal inglês Guardian, o hóspede não podia receber visitas ou acessar a internet desde março.

No fim de 2018, Assange entrou na Justiça do Equador contestando os novos termos de seu asilo, que determinam que ele deve pagar por suas contas médicas e de telefone e limpar a sujeira de seu gato.

No começo de abril, o presidente Moreno disse a rádios de seu país que Assange havia violado repetidamente os termos de seu asilo na embaixada. "Ele não pode mentir, e menos ainda hackear contas ou telefones celulares particulares", afirmou, lembrando que fotos de seu quarto e de sua família haviam sido publicadas em redes sociais -mas sem acusar nominalmente o australiano por isso.

Moreno também afirmou que o programador não podia "intervir na política de outros países, quanto mais na de países amigos".

Recentemente, o WikiLeaks publicou informes sobre os chamados Papéis Ina, que apontam para um esquema de corrupção ligando Moreno a uma empresa offshore no Panamá. O presidente nega qualquer malfeito.

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa, que havia concedido o asilo em 2012, criticou duramente o sucessor.

"O maior traidor da história equatoriana e latino-americana, Moreno permitiu que a polícia britânica entrasse na nossa embaixada em Londres. Moreno é um corrupto, mas o que fez é um crime que a humanidade nunca esquecerá", tuitou Correa, que hoje vive na Bélgica.

Para o Wikileaks, a retirada do asilo foi feita de forma ilegal e representa uma violação da lei internacional. O governo da Rússia disse esperar que os direitos de Assange não sejam violados.

HACKER DESDE OS ANOS 1990

Assange é elogiado por muitos grupos por ter exposto casos de abusos de poder por parte de governos. Para outros, é considerado um rebelde perigoso, que colocou em perigo a segurança dos Estados Unidos ao divulgar informações confidenciais. ​

Nascido na Austrália em 1971, ele foi acusado de realizar dezenas de ataques hacker no país em 1995, época em que a internet começava a se popularizar. Teve de pagar multas, mas escapou da prisão.

Ele estudou física e matemática em Melbourne e, em 2006, criou o Wikileaks junto com outras pessoas.

O Wikileaks é um site dedicado a receber e publicar informações confidenciais, protegendo a identidade de quem vazou as informações.

Em 2010, a página divulgou uma grande quantidade de documentos militares secretos relacionados às guerras dos EUA no Iraque e no Afeganistão. Também vieram a público vídeos de militares americanos atirando em civis no Iraque e uma grande quantidade de mensagens diplomáticas confidenciais, incluindo algumas que citavam o Brasil.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado