últimas notícias

Inverno seco e ameno derruba preços de verduras e legumes na Ceagesp

Se o verão é sinônimo de abundância de frutas, grãos, leite e carne bovina, o inverno é a temporada de verduras e legumes. Clima seco e temperaturas amenas são a combinação ideal que garante alta produtividade das folhosas. Com ajuda da tecnologia que garante água e nutrientes na dose certa, a fartura na roça está garantida. O problema é que o consumo cai, justamente no momento de maior produção. E esse desequilíbrio entre oferta elevada e baixa procura se reflete nos preços aí na cidade. É a velha lei de mercado...

No geral, as alfaces estão sendo comercializadas em boa qualidade e tamanho padrão no Cinturão Verde da Grande São Paulo, que inclui cidades como Mogi das Cruzes, Suzano e Ibiúna.

O tomate salada longa vida segue se desvalorizando em todo o País, chegando a patamares abaixo dos custos de produção. Mas, a expectativa é que os preços reajam em breve, uma vez que grande parte das lavouras em safra já foi colhida, e a maturação para as próximas semanas deverá ser mais gradual em regiões como Mogi Guaçu (SP) e Araguari (MG). Além disso, muitos produtores de Sumaré (SP) encerraram a safra no final de junho.

Grande produtora de cenoura nesta época do ano, a região de São Gotardo (MG) vem despejando legume na Ceagesp, fazendo o preço despencar no atacado. A caixa de 29 kg da cenoura “suja” ficou 28,10% mais barata na virada do mês.

Só na última semana de junho, os preços da cebola caíram 33, 1% em relação à semana anterior no atacado de São Paulo, devido à maior oferta do produto. Atacadistas estão comercializando bulbos do Triângulo Mineiro, Bahia, Piedade (SP) e Cristalina (GO). Sendo que grande parte comercializada na Ceagesp é de origens mineira e goiana.

Ouro verde.
O Brasil produzirá 58,04 milhões de sacas de 60 kg de café nesta safra, cuja colheita começou em maio e se estende até setembro. Isso significa que 36% de todo o grão consumido no mundo nos próximos meses será colhido aqui.

Distribui riqueza.
A área da cafeicultura que está em produção neste ano no Brasil é equivalente ao tamanho de 1 milhão 880 mil campos de futebol. A produtividade média será recorde, segundo o 2° Levantamento da Safra de Café da Conab.

Quatro cantos do País.
A produção da variedade arábica atingirá 44,33 milhões de sacas e a de café conilon será de 13,71 milhões de sacas. O arábica é mais nobre, com sabor mais requintado, enquanto o conilon é mais forte, geralmente utilizado nos blends (mistura de grãos). Como acontece há décadas, parte dessa riqueza irrigará a economia santista nos próximos meses.

Golaço!
O Instituto Butantan acaba de patentear nos Estados Unidos o processo de produção de uma vacina contra a dengue. O produto está na última fase dos testes em humanos para que o imunizante possa ser disponibilizado à população. Além de garantir visibilidade internacional ao projeto, a conquista pode significar uma inversão da lógica terceiromundista de sempre importar dos países desenvolvidos tecnologias na área da saúde.

‘Admirável.
Um grupo internacional, com a participação de pesquisadores vinculados à Unicamp conseguiu extrair de um minério de ferro comum, como os explorados por tantas mineradoras no Brasil, um material chamado hemateno, que tem alguns poucos nanômetros (da bilionésima parte do metro) e propriedades fotocatalíticas incomuns.

Mundo novo’.
Traduzindo: a descoberta poderá revolucionar a geração de energia solar no Planeta, uma vez que os fótons geram cargas negativas e positivas dentro de poucos átomos da superfície.

Tops da Gazeta