últimas notícias

Reduzir agrotóxicos é possível

O Brasil poderá ganhar em breve um importante instrumento para reduzir o consumo de venenos. Tramita na Câmara Federal, desde de 2016, o Projeto de Lei nº 6.670/16 de iniciativa da sociedade civil, que propõe a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (Pnara).

Em julho desse ano, depois de muita pressão e mobilizações de inúmeras organizações, finalmente foi instalada a Comissão Especial com o objetivo de analisar o projeto.

O Brasil é um dos maiores consumidores de agrotóxicos do mundo. A cada ano 7,3 litros desses produtos é utilizado para cada um dos habitantes do País. A exposição aos agrotóxicos resultou em 2017, em 11 registros de intoxicação por dia.

Conforme estudo produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ocorreram 164 mortes decorrentes do contato com esses artigos. Outras 157 pessoas ficaram incapacitadas para o trabalho, e um número desconhecido desenvolveu enfermidades crônicas, como cânceres, distúrbios nos rins e fígado, depressão, mal de Alzeheimer, impotência sexual, entre outras.

A Organização Mundial da Saúde estima que para cada caso registrado outros 50 são ignorados, ou seja, a subnotificação é imensa. Sem falar dos prejuízos ambientais decorrentes da poluição do solo e da água.

Muitos defendem o uso dos agrotóxicos argumentando que seria impossível alimentar toda a população do planeta sem eles. Esse raciocínio se ampara na crenças ideológicas, conforme documento divulgado pela Associação Brasileira de Saúde Pública (Abrasco), há demonstrações abundantes comprovando que não precisamos produzir alimentos intoxicados para garantir o abastecimento da gigantesca população do planeta.

Se desejamos que o Brasil inicie um processo paulatino de transição do atual modelo predatório e insustentável para um padrão benéfico e sustentável, a oportunidade é agora, e não temos o direito de perder essa chance.

Na condição de deputado federal, tenho a honra de ser relator do Projeto que institui a Política Nacional de Redução de Agrotóxicos, e estamos lutando aprová-la.

Tops da Gazeta