últimas notícias

Acervo

Todos contra os agrotóxicos

Nesta semana, parlamentares de diversos partidos lançarão na Assembleia Legislativa de São Paulo um Projeto de Lei que cria a Política Estadual de Redução de Agrotóxicos (PERA). O evento contará com a presença de ativistas, ambientalistas, acadêmicos e especialistas para a construção coletiva de uma ferramenta de promoção de uma agricultura saudável, além de social, política, econômica e ambientalmente justa.

A proposta vem ao encontro às demandas da sociedade contemporânea, uma vez que o modelo de agricultura baseado na monocultura, na concentração de terra e no uso de grande quantidade de venenos se mostrou uma ameaça à vida no Planeta. Não por acaso, diversas iniciativas nos âmbitos federal, estaduais e municipais vem sendo adotadas para evitar a degradação ambiental e a contaminação do alimento que chega à nossa mesa.

Sou o relator da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (PNARA), na qual a proposta estadual paulista se inspirou. O PL que institui a PNARA está pronto para ser votada no Plenário da Câmara, mas enfrenta resistência da bancada ruralista, que insiste na liberação cada vez maior de venenos para uso agrícola. É neste momento que as políticas estaduais e municipais se tornam ainda mais importantes. Além da PERA, em São Paulo, a cidade de Florianópolis aprovou um projeto que torna a capital catarinense zona livre de agrotóxicos até outubro de 2020 e algo semelhante vem sendo discutido em Curitiba.

Tudo isso porque o índice de degradação do solo, do ar, das águas e dos alimentos por esse tipo de veneno atingiu níveis alarmantes. Pesquisas recentes apontam contaminação por mais de 20 tipos diferentes de venenos agrícolas na água de 1 em cada 4 municípios brasileiros; cerca de 40 mil pessoas foram intoxicadas por agrotóxicos na última década e, para piorar, países com os quais o Brasil mantém relações comerciais podem deixar de comprar produtos nacionais se estes continuarem descumprindo padrões e legislações internacionais ambientais e também de qualidade.

Tops da Gazeta

Todos contra os agrotóxicosTodos contra os agrotóxicos
últimas notícias

Acervo

Todos contra os agrotóxicos

Nesta semana, parlamentares de diversos partidos lançarão na Assembleia Legislativa de São Paulo um Projeto de Lei que cria a Política Estadual de Redução de Agrotóxicos (PERA). O evento contará com a presença de ativistas, ambientalistas, acadêmicos e especialistas para a construção coletiva de uma ferramenta de promoção de uma agricultura saudável, além de social, política, econômica e ambientalmente justa.

A proposta vem ao encontro às demandas da sociedade contemporânea, uma vez que o modelo de agricultura baseado na monocultura, na concentração de terra e no uso de grande quantidade de venenos se mostrou uma ameaça à vida no Planeta. Não por acaso, diversas iniciativas nos âmbitos federal, estaduais e municipais vem sendo adotadas para evitar a degradação ambiental e a contaminação do alimento que chega à nossa mesa.

Sou o relator da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (PNARA), na qual a proposta estadual paulista se inspirou. O PL que institui a PNARA está pronto para ser votada no Plenário da Câmara, mas enfrenta resistência da bancada ruralista, que insiste na liberação cada vez maior de venenos para uso agrícola. É neste momento que as políticas estaduais e municipais se tornam ainda mais importantes. Além da PERA, em São Paulo, a cidade de Florianópolis aprovou um projeto que torna a capital catarinense zona livre de agrotóxicos até outubro de 2020 e algo semelhante vem sendo discutido em Curitiba.

Tudo isso porque o índice de degradação do solo, do ar, das águas e dos alimentos por esse tipo de veneno atingiu níveis alarmantes. Pesquisas recentes apontam contaminação por mais de 20 tipos diferentes de venenos agrícolas na água de 1 em cada 4 municípios brasileiros; cerca de 40 mil pessoas foram intoxicadas por agrotóxicos na última década e, para piorar, países com os quais o Brasil mantém relações comerciais podem deixar de comprar produtos nacionais se estes continuarem descumprindo padrões e legislações internacionais ambientais e também de qualidade.

Tops da Gazeta