últimas notícias

Supersalário Municipal

Supersalário Municipal I. Um projeto de lei que está sendo analisado na Câmara Municipal de São Paulo pode autorizar que auditores fiscais do município recebam salários superiores a R$ 30 mil. O valor é considerado um "supersalário" porque está acima do teto constitucional, que tem como base o salário do próprio prefeito, que é de R$ 24 mil. Na semana passada, o líder do governo, vereador Fábio Riva (PSDB), foi vaiado em plenário por um grupo de servidores públicos após os parlamentares mudarem, a pedido do prefeito Bruno Covas (PSDB), o projeto original que previa um aumento apenas para os servidores da educação.

Supersalário Municipal II. O novo projeto estende o reajuste e inclui gratificações para outras categorias, como a dos auditores fiscais tributários, que já ganham cerca de R$ 24 mil. A oposição diz que, se esse projeto for aprovado, eles vão ganhar cerca de R$ 10 mil a mais, ultrapassando o salário do prefeito, o que é inconstitucional. "Enquanto o projeto dá R$ 200 de abono para os profissionais de baixa remuneração, ele dá de R$ 6 mil a R$ 10 mil para os auditores, que já estão no teto da prefeitura. O projeto não tem estudo de impacto financeiro", afirma o vereador Antônio Donato (PT).

Supersalário Municipal III. No ano passado, Covas sancionou uma lei que proíbe salários maiores do que o dele. Mas o projeto que está sendo discutido agora considera que bônus não é salário, o que abre uma brecha para ganhos que ultrapassam o teto. Sobre o projeto, o prefeito Bruno Covas afirmou que o teto está garantido e que nenhum servidor receberá acima dele.

Surto de sarampo em SP. Com 32 casos confirmados de sarampo somente neste ano, a Capital já registra surtos da doença e circulação do vírus. A informação foi confirmada pelas Secretarias Estadual e Municipal da Saúde. Antes de 2019, a cidade estava havia quase quatro anos sem registrar infecção pela doença.

Criminalização da homofobia. A maior parte da população de São Paulo é favorável à criação de uma lei para criminalizar a homofobia e a transfobia. Segundo pesquisa divulgada pela Rede Nossa SP, em parceria com o Ibope, 55% dos entrevistados são a favor da criminalização e outros 22%, contra. Não sabem ou não responderam chegam a 23%. Entre os que se declaram a favor, 60% são mulheres, 66% mais jovens, 61% brancos, 60% pertencem à classe B e têm renda familiar acima de 5 salários mínimos. Já os que são contra a lei, 27% são homens e 27% possuem entre 35 e 44 anos.

Tops da Gazeta