Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Segunda, 27 Agosto 2018 13:51

Formações rochosas encantam turistas em Caraguatatuba

As formações rochosas atraem os olhos e até o toque; as mais famosas e acessíveis são a Pedra da Freira e a Pedra do Jacaré
As formações rochosas atraem os olhos e até o toque de muitas pessoas, na mata ou rodeando as águas do mar e rios, elas proporcionam desenhos incríveis As formações rochosas atraem os olhos e até o toque de muitas pessoas, na mata ou rodeando as águas do mar e rios, elas proporcionam desenhos incríveis Cláudio Gomes/PMC
Por Patrícia Rosseto
Do Litoral Norte

A rica Mata Atlântica que rodeia por onde você olhar no município de Caraguatatuba, uma cidade que mantém sua tranquilidade caiçara, a hospitalidade de cidade pequena e as funcionalidades de uma cidade grande, guardam vários segredos a se explorar além de seu mar verde-esmeralda e suas praias para todos os gostos, desde a mais tranquila, até aquelas para surfar ou para uma boa pesca esportiva.

As formações rochosas atraem os olhos e até o toque de muitas pessoas, adultos ou crianças, na mata ou rodeando as águas do mar e rios, elas proporcionam desenhos incríveis e até platôs para se acomodar e ter aquela bela vista. As mais famosas e mais acessíveis são a Pedra da Freira e a Pedra do Jacaré.

Na Prainha, na região central de Caraguatatuba está a pedra do Jacaré, a Prainha é e a Pedra do Jacaré são muito conhecidas entre os turistas, uma informação que foi passando entre gerações. Isso a torna bem reconhecida e especial. Tanto o é, que a Prainha é muitas vezes reconhecida popularmente como “Praia do Jacaré”.

Ela é uma praia que faz limite com as praias Martim de Sá e a Pedra da Freira - que falaremos em seguida, é ideal para levar crianças. Para chegar até a Pedra do Jacaré, basta seguir uma trilha que passa por um contorno da montanha ligando a praia a pedra.

Ainda após a Pedra do Jacaré, há uma outra trilha, que leva ao topo da montanha. A trilha é aberta e simples. A Prainha tem águas calmas, ou seja, este passeio além de pertinho do Centro do município é perfeito para crianças.

Alguns banhistas se arriscam saltar da Pedra no mar, isso nunca é legal se você não conhece o local, se quer aventura, o ideal é contratar um guia de turismo local, que conhece bem a maré, o que há e como fazer, o ideal sem guia é curtir e observar a formação rochosa, usar a criatividade para tirar fotos, brincar. Esta formação rochosa pode ser claramente ser avistada das areias da Prainha.

A Pedra da Freira é outras das lindas formações rochosas bem acessíveis e famosas da cidade, ela lembra uma religiosa de joelhos em prece observando o mar. Ela fica na praia do Garcez ou também chamada Praia do Robalo, para chegar até ela é necessário também passar por uma pequena trilha, através do Morro da Pedreira. Não tem erro, fácil de encontrar. Para chegar lá, saindo do Centro em direção ao Morro da Pedreira, dá cerca de 1 quilômetro.

O local também é excelente para pescar e catar de mexilhões.

Lendas

Existem algumas lendas da Pedra da Freira, escolhemos a mais comentada.

A formação impressiona com sua semelhança a uma freira inclinada e ajoelhada voltada ao mar, em prece.

Os nativos passam de geração em geração a misteriosa lenda que há muito, muito tempo atrás, uma freira veio de outro local para a região Litoral Norte com objetivo de catequizar os índios tamoios, os nativos originais do local.

Assim, a freira passava por horas caminhando, observando a natureza e meditando.

Em um destes dias de sua rotina de meditação, a freira distraiu-se observando o mar e quando notou ia cair o sol e eram seis da tarde. Imediatamente a religiosa ajoelhou-se e começou a rezar a Ave-Maria
diária.

Quando ela acabou suas orações, viu uma flor muito bela, próxima a um barranco e foi colher para si. O local era escorregadio, ela perdeu seu equilíbrio, caiu no mar e morreu afogada.

Deus, em homenagem a todo seu amor e toda a dedicação de sua vida e amor a natureza, a eternizou na imagem de uma pedra, com o objetivo que cada um se lembrasse do dever de amar e respeitar a natureza, obra de sua criação.

Sendo assim, as matérias da Gazeta sempre ressaltam a importância de trazer seu lixo sempre com você, nunca retirar nada, mudas, pedras, conchas, tire apenas fotos. E, sempre se proteger, usar roupas adequadas para o tipo de passeio, protetor solar, repelentes de insetos, levar sempre água para se manter hidratado, se informar se os locais têm serviços a oferecer, se não levar frutas e lanches.

E, o mais importante, contrate sempre guias locais, eles conhecem muito bem como se comporta o meio ambiente, a fauna e flora, conhecem o bioma, as histórias e lendas, podendo além de fornecer segurança, também muita riqueza de informações ao passeio.

Formações rochosas

O guia de turismo Luanderson Coutinho e sócio da Agência Ubatuba Ecotur explicou que com cerca de 80 bilhões de anos a Mata Atlântica é jovem e tem em seu interior formação vulcânica e solo raso. “A formação da Mata Atlântica e as formações rochosas estão associadas a separação dos continentes: sul-americano do continente africano, isso há cerca de 80 milhões de anos atrás, que foi um “boom” e mexeu com toda terra, teve toda uma ação de vulcões, acomodação da crosta, que acabou por formar os blocos de montanhas, que seria a nossa Serra do Mar atualmente, que veio se formando após este evento. Por isso ainda dizemos que a Mata Atlântica ainda é uma floresta recente, apesar de ter cerca de 80 milhões de anos, comparada com outras que são bem mais antigas”, disse.

“Todo local da Serra do Mar, o solo é bem superficial, embaixo existe um paredão de rochas vulcânicas, com camadinhas de solo por cima, pode variar de centímetros até, de 2 a cinco metros. Então, de acordo com isso, de acordo com o local, quanto maior a espécie, maior a dificuldade de se ficar, por isso temos uma série de raízes trançadas por fora do solo na Mata Atlântica nesta região do Litoral Norte”, explicou ele.

Importância

Ainda de acordo com Luanderson Coutinho, a Pedra da Freira, por exemplo, faz parte do costão rochoso do perímetro local. “O costão rochoso é um ecossistema associado a Mata Atlântica, muito importante. Ele faz a separação do ambiente terrestre da Mata do ambiente marinho que é muito severo em algumas ocasiões, como a ressaca, por exemplo. Então o costão serve de proteção para o mar não vá avançando e comendo, solo, o pouco que tem e jogando para o mar, entre outros. Logo, este costão rochoso é o ecossistema da Pedra da Freira.

Ele explicou que em conceito técnico as pedras tomam formatos através do intemperismo. “Ação do tempo, fatores, biológicos, químicos, até o clima pode trincar uma pedra, isso a longo prazo, centenas de anos”, finalizou ele.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado