Publicidade

X

Mundo

Eu falo palavrões em legítima defesa, diz Ciro após episódio em RR

Ciro disse não ter "sangue de barata" ao comentar o episódio ocorrido em Boa Vista (RR) no sábado (15), no qual xingou e empurrou um homem durante uma entrevista Por Folhapress De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 18/09/2018 às 20:55

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, argumentou que fala palavrões em legítima defesa e disse não ter "sangue de barata" ao comentar o episódio ocorrido em Boa Vista (RR) no sábado (15), no qual xingou e empurrou um homem durante uma entrevista.

Ao Jornal da Globo, na madrugada desta terça-feira (18), Ciro negou que o homem que tenha empurrado seja jornalista e acusou o senador Romero Jucá (MDB), seu adversário político, de ter pago um "sujeito" para provocá-lo.

"Esse camarada colocou um adesivo do Bolsonaro no meu peito. Um candidato acabou levar uma facada. Ele poderia ter enfiado uma faca no meu peito, está tudo filmado. O mesmo cidadão veio então para cima de mim, e eu empurrei ele de volta", disse o pedetista.

Ciro ainda foi questionado sobre ter xingado um ouvinte de uma rádio de "burro" na campanha de 2002. "Falam isso porque não podem me chamar de ladrão, nem de incompetente, então comigo é isso. Há 16 anos atrás, eu chamei alguém de burro. E, de fato, existe gente burra", disse.

O presidenciável voltou a ser questionado sobre recente episódio com o comandante do Exército, general Villas Bôas. Na semana passada, Ciro disse que o militar "provavelmente pegaria uma cana" por ter afirmado que o próximo presidente eleito poderá ter a "legitimidade questionada".

Ao telejornal da TV Globo, o candidato reforçou que chefes militares não terão participação política em seu governo, caso seja eleito, e evocou a Constituição para justificar isso. "Eu conheço a lei e dou valor a ela. Está proibido comandante militar dar opinião sobre política."

Questionado sobre a área econômica, Ciro exaltou seu desempenho quando Ministro da Fazenda no governo Itamar Franco e disse que a inflação aceitável para ele é zero. Ele também se posicionou contra a venda da Embraer à Boeing e disse que, se eleito, irá vetar a transação. "Eu sou um nacionalista fervoroso", disse.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EM MARÇO

Venda de carros 100% elétricos teve aumento de 973% em relação ao ano passado

Os híbridos venderam 7.411 exemplares em março, com aumento de 9,5% em relação a fevereiro deste ano e de 37,4% em comparação a março de 2023

ECONOMIA

O que é o arcabouço fiscal e por que ele é tão importante?

Sistema veio em substituição ao regime de teto de gastos, vigente desde o governo Temer até o fim de 2022

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter