Publicidade

X

Mundo

Cúpula sobre 'brexit' termina sem acordo entre Reino Unido e bloco europeu

Ao fim do encontro, nesta quinta (20), os chefes de Estado e governo anunciaram que uma nova reunião havia sido marcada para os dias 17 e 18 de novembro Por Folhapress De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 20/09/2018 às 17:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O agendamento para novembro de uma cúpula extraordinária para finalizar os termos do "brexit" foi o melhor a que conseguiram chegar os 28 líderes europeus reunidos desde quarta-feira (19), em Salzburgo, na Áustria.

Ao fim do encontro, nesta quinta (20), os chefes de Estado e governo anunciaram que uma nova reunião havia sido marcada para os dias 17 e 18 de novembro. A ideia é que, nesta ocasião, chegue-se a um acordo definitivo sobre as condições de saída do Reino Unido da União Europeia, a se concretizar em 29 de março de 2019.

Antes, em 18 de outubro, o Conselho Europeu se reúne em Bruxelas, mas a primeira-ministra britânica, Theresa May, já deu a entender que acha improvável concluir as negociações até lá, segundo noticiou a rede de TV BBC.

A forma de lidar, no "pós-brexit", com a circulação de mercadorias entre Irlanda do Norte (parte do Reino Unido) e a República da Irlanda (integrante da UE) continua a ser o principal entrave ao avanço das tratativas.

O bloco bate na tecla de que, para evitar a entrada clandestina de produtos britânicos no mercado comum, é preciso haver algum tipo de checagem, mesmo que não exatamente ao longo da fronteira entre aqueles países. Se não houver acordo quanto a isso, os europeus querem que Belfast continue sujeita à legislação comercial europeia, ao menos temporariamente, o que Londres refuta.

De seu lado, Theresa May propôs o estabelecimento de uma união aduaneira para bens manufaturados e produtos agrícolas envolvendo Reino Unido e UE, o que tornaria dispensáveis os "check-points" sugeridos pelo bloco.

O desenho, no entanto, é criticado tanto internamente (os partidários do "brexit" veem nele um amolecimento do divórcio com o continente) quanto externamente (Bruxelas não quer que May escolha a seu bel prazer onde os britânicos vão permanecer próximos da UE e onde vão seguir em voo solo).

Em Salzburgo, um dos principais pontos de discussão foi o chamado "backstop", a garantia que a República da Irlanda cobra do Reino Unido de que, mesmo em caso de um "no deal" (ausência total de acordo sobre os termos do "brexit"), a fronteira com o Norte não deixe de ser tão porosa quanto é hoje. A reivindicação é apoiada por todos os membros da UE.

"Temos princípios muito claros sobre a integridade do mercado comum e especificamente sobre a fronteira irlandesa", disse o presidente francês, Emmanuel Macron. "Precisamos de uma proposta britânica que contemple essa garantia [backstop] no contexto do acordo para a retirada do Reino Unido."

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, também fez ressalvas ao que vê como ameaças contidas no plano de Londres ao funcionamento do bloco continental.

"A hora da verdade para as negociações do 'brexit' vai ser o Conselho Europeu de outubro. Ali esperamos progresso máximo e resultados."

Mais cedo, líderes de países menos expressivos no xadrez geopolítico europeu deram declarações um pouco mais conciliatórias em relação a Londres.

Na principal delas, o contestado primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, disse lamentar a visão de alguns colegas de UE segundo a qual o Reino Unido deveria ser punido (e os britânicos deveriam sofrer) por ter votado pelo desligamento do resto do continente.

"Não gosto nem um pouco dessa abordagem. O que precisamos é de um 'brexit' justo e de uma boa cooperação entre o Reino Unido e a União Europeia no futuro", afirmou ele.

Já o premiê de Malta, Joseph Muscat, disse que havia "apoio quase unânime" entre seus pares à ideia de que o "brexit" passasse por outro referendo popular, possibilidade já fuzilada por Theresa May diversas vezes, e novamente nesta quinta.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EMPATE

Corinthians empata com Atlético-MG em jogo morno

Partida acabou em 0 a 0 neste domingo (14), na Neoquímica Arena

DENTRO DA DIETA

Veja 5 dicas de como comer comida japonesa sem estragar a dieta

Nutrólogo explica quais as melhores escolhas na hora de ir a um restaurante de culinária japonesa sem se preocupar com a dieta

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter