Publicidade

X

Brasil

Especialistas alertam para alta incidência de raios durante primavera

Segundo levantamento feito pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica do Inpe no ano passado, a média anual de raios a atingirem o país, nos últimos seis anos, foi de 77,8 milhões Por Agência Brasil

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 22/09/2018 às 03:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Com a chegada da primavera, que tem início às 22h53 de amanhã (22), as regiões Sudeste e Centro-Oeste devem observar um aumento significativo do volume de chuvas, comum para a estação. O período também é marcado pela alta incidência de raios, fazendo do Brasil o líder mundial na ocorrência desse fenômeno. Segundo levantamento feito pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) no ano passado, a média anual de raios a atingirem o país, nos últimos seis anos, foi de 77,8 milhões.

De acordo com a pesquisa, os estados onde há maior incidência de raios por quilômetro quadrado são Tocantins (17,1), Amazonas (15,8), Acre (15,8), Maranhão (13,3), Pará (12,4), Rondônia (11,4), Mato Grosso (11,1), Roraima (7,9), Piauí (7,7) e São Paulo (5,2). A cidade de São Paulo está entre as cinco capitais com maior densidade de raios por quilômetro quadrado (13,26), atrás de Rio Branco (30,13), Palmas (19,21), Manaus (18,93), São Luiz (15,12) e Belém (14,47). Entre as cidades com mais de 650 mil habitantes Osasco, Santo André, São Bernardo do Campo e Guarulhos, todas na região metropolitana de São Paulo, apresentam valores de densidade acima de 10, como consequência da urbanização.

“O Brasil é o campeão mundial em incidência de raios porque é o maior país da região tropical do planeta, o mais quente e por isso favorece a formação de tempestade. Os raios são mais frequentes na primavera e no verão porque são as estações mais quentes. Mas existem diferenças entre uma região e outra. Quando se fala de morte por raio fala-se de uma combinação de alta incidência [de raios] com grande número de pessoas”, explicou o coordenador do Elat, Osmar Pinto Júnior.

De acordo com o levantamento do Elat, a principal circunstância na qual ocorrem mortes por raio no país é durante as atividades rurais (25%), seguido de pessoas que estão dentro de casa (18%), próximas a veículos (10%), embaixo de árvores (8%), jogando futebol (7%), embaixo de coberturas (5%) e na praia (4%).

“De forma geral quando a pessoa está em atividade em céu aberto está mais exposta a ser atingida por raios. Isso explica porque trabalhando no campo a pessoa fica mais sujeita. Mas o número de pessoas que são atingidas dentro de casa preocupa, porque é relativamente alto e isso se deve ao fato de que as pessoas em casa estão mais protegidas de raios diretamente, mas podem ser atingidas indiretamente quando os raios atingem a rede elétrica causando sobrecarga nas tomadas e equipamentos ligados”, disse Osmar.

Segundo ele, um dos locais mais seguros para ficar durante uma tempestade é dentro de um automóvel fechado, uma vez que o raio não ultrapassa a estrutura metálica do carro.

A prevenção é o principal meio para evitar mortes provocadas por raios. Durante as tempestades, deve-se evitar locais altos, sentar embaixo de árvores ou deitar no chão. A pessoa também deve manter distância de poças de água e objetos que possam conduzir a eletricidade, como linhas de energia e cercas de arame farpado. Dentro de casa, deve-se evitar entrar em contato com objetos ligados à rede elétrica ou ficar perto da tomada durante uma tempestade.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CHUVA E FRIO

Frente fria avança para o Sudeste e pode causar queda de temperatura em SP

O clima deve mudar a partir de quarta-feira (17), devido a formação de ciclone e avanço de uma frente fria pelo Sul do Brasil; veja previsão

ENTREVISTA

Felicio Ramuth: 'O governo do Estado quer dar uma atenção especial ao centro'

Em entrevista à Gazeta, o vice-governador explicou a mudança da sede do governo para o centro de SP e anunciou resultados do Hub de Cuidados com Cracks e Outras Drogas

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter