Publicidade

X

Mundo

Argentina tem manifestações contra Macri hoje e greve geral nesta terça-feira

Nesta terça-feira (25), haverá greve geral no país, convocada por lideranças sindicais contrárias ao modelo econômico e ao ajuste conduzido por Macri Por Estadão Conteúdo De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 24/09/2018 às 16:25

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Vários sindicatos, movimentos sociais e partidos oposicionistas realizam nesta segunda-feira na Plaza de Mayo um protesto contra o governo de Mauricio Macri na Argentina. Na terça-feira, haverá greve geral no país, convocada por lideranças sindicais contrárias ao modelo econômico e ao ajuste conduzido pelo presidente, informa a imprensa local.

Dirigente do sindicato dos caminhoneiros, Pablo Moyano afirmou em entrevista coletiva que a paralisação também é contra o acordo do país com o Fundo Monetário Internacional (FMI), segundo a agência estatal Télam. O governo Macri chegou a um acordo com o FMI para tentar acalmar o quadro de tensão nas finanças locais, sobretudo no câmbio. Atualmente, as duas partes revisam o acordo, um pacote de ajuda de US$ 50 bilhões, montante que pode ser elevado.

Os sindicatos, porém, se mostram contrários ao ajuste promovido pelo governo, que inclui o corte de subsídios, além de demissões no setor público. Lideranças de trabalhadores pedem mudanças na política econômica, o fim das demissões e suspensões de contratos, um freio para as importações e um recuo no Orçamento almejado para o próximo ano e no acordo com o FMI. Também reclamam do impacto sofrido pelos trabalhadores com a alta inflação, em um quadro de aumento no desemprego e na pobreza.

Hoje, a expectativa é que o trânsito em Buenos Aires se complique pelas manifestações. Na terça-feira, a Central Geral de Trabalhadores (CGT) da Argentina convocou paralisação de 36 horas, com a participação de outras centrais sindicais. Nesta terça-feira, devem ser afetados voos, inclusive internacionais, os serviços públicos, o transporte público em geral, os bancos e a coleta de lixo.

A agência Télam lembra que, com a desta terça-feira, Macri tem enfrentado uma greve geral nacional a cada oito meses. O presidente assumiu em 2015 e pode tentar a reeleição no próximo ano.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EM MARÇO

Venda de carros 100% elétricos teve aumento de 973% em relação ao ano passado

Os híbridos venderam 7.411 exemplares em março, com aumento de 9,5% em relação a fevereiro deste ano e de 37,4% em comparação a março de 2023

ECONOMIA

O que é o arcabouço fiscal e por que ele é tão importante?

Sistema veio em substituição ao regime de teto de gastos, vigente desde o governo Temer até o fim de 2022

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter