Publicidade

X

Brasil

Temer defenderá, na ONU, política de apoio a imigrantes

No discurso que será feito nesta terça (25), Temer deve ressaltar a preocupação do governo brasileiro no acolhimento adequado e tratamento humanitário aos imigrantes Por Agência Brasil

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 24/09/2018 às 20:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O presidente Michel Temer pretende abordar amanhã (25) a questão do êxodo de venezuelanos nas Américas durante a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York (EUA). No discurso, ele deve ressaltar a preocupação do governo brasileiro no acolhimento adequado e tratamento humanitário aos imigrantes.

Temer deverá recordar que o Brasil se destacou ao longo da história no apoio e na proteção internacional dos refugiados. Foi o primeiro país do Cone Sul que ratificou a Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados de 1951, no ano de 1960.

O presidente lembrará também que o Brasil foi um dos primeiros países integrantes do Comitê Executivo da Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur). É o comitê que aprova os programas e orçamentos anuais da agência.

A discussão ocorre no momento em que venezuelanos deixam seu país em busca de melhores condições de vida nas nações vizinhas. Brasil, Colômbia, Equador e Peru são os locais mais procurados por eles. A partir desta procura, houve momento de tensão por onde chegavam os imigrantes.

Medidas

Porém, o presidente quer destacar que no Brasil, a preocupação é garantir a proteção e dar perspectivas aos cerca de 600 a 800 venezuelanos que ingressam por dia no país via Roraima. O governo brasileiro adotou uma série de medidas em busca de solucionar os impasses que envolvem a questão.

Foram instalados abrigos para receber as famílias de imigrantes. Há um programa de transferência dos venezuelanos para vários estados em uma das ações da Operação Acolhida, iniciada pelo governo federal, em parceria com o Acnur, entidades da sociedade civil e prefeituras.

Segundo o governo, a interiorização ocorre apenas de modo voluntário e todos os venezuelanos são vacinados, fizeram exames de saúde e estão com a situação regularizada no Brasil. Além de CPF, eles possuem carteira de trabalho.

Tensões

A presença dos venezuelanos em Roraima causou alguns momentos de tensão. A governadora do estado, Suely Campos (PP), recorreu à Justiça para tentar fechar a fronteira com a Venezuela, na tentativa de impedir o ingresso dos imigrantes. A iniciativa foi vetada pelo Judiciário e também teve a oposição do governo federal.

Em meio às controvérsias, moradores de Pacaraima, no mês passado, atearam fogo contra barracas de lonas de venezuelanos que ocupavam ruas na cidade. Segundo os moradores, houve um assalto e os suspeitos eram imigrantes.

No Equador, o governo passou a exigir passaporte dos imigrantes para entrada no país. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, alega que há uma campanha internacional para difamar o governo e disse que vai repatriar os venezuelanos interessados em retornar ao país.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

lançamento

Conheça Versão Savana: a mais radical da Mitsubishi L200 Triton

Apresentada há um ano, a atual L200 Triton Savana tem preço sugerido de R$ 299.990 e é produzida em Catalão (GO)

EMPATE

Corinthians empata com Atlético-MG em jogo morno

Partida acabou em 0 a 0 neste domingo (14), na Neoquímica Arena

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter