Publicidade

X

Capital

Professor é afastado de escola suspeito de assediar alunas

O professor de educação física de 41 anos é acusado de assediar uma aluna de 11 anos em uma escola estadual na Consolação, em São Paulo Por Folhapress

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 26/09/2018 às 11:25

Atualizado em 26/09/2018 às 14:29

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A Polícia Civil investiga um suposto caso de assédio sexual cometido por um professor de educação física de 41 anos na Escola Estadual Professora Marina Cintra, na Consolação, região central, contra uma aluna de 11 anos. Outras 16 garotas, entre 11 e 14 anos, relataram à direção do colégio também terem sido vítimas. O professor nega as acusações e foi afastado da escola.

Acompanhada dos pais, a menina contou que, na aula, após brincar de queimada, pegou um livro para folhear enquanto descansava. Foi quando o professor se aproximou, segundo ela. Em seu relato, a estudante afirma que ele lhe perguntou sua idade, se era virgem e se perderia a virgindade com ele.

Diante disso, a aluna diz ter levantado e ligado para a mãe e procurado a diretoria. No boletim de ocorrência, ela afirma ainda que o professor perguntou se ela lhe mandaria “nudes” (fotos nua). Estudantes relataram que, na mesma manhã, o professor lamentou o fato de elas não poderem usar shorts.

Após a garota procurar a direção da escola, outras 16 alunas também disseram ter sido assediadas. Quando o professor foi embora, estudantes chutaram o carro dele e quebraram o retrovisor. Na segunda-feira, eles não entraram nas salas de aula pela manhã e fizeram protesto no pátio.

Alunas dizem que os supostos assédios ocorriam há tempos, mas tinham medo de denunciar por ser
ameaçadas.

As estudantes afirmam ainda que o professor as chamava de gostosas durante as aulas e teria tocado nas nádegas de pelo menos duas delas. A Secretaria de Estado da Educação afirmou em nota que, após receber as denúncias de pais e alunos, o professor foi “imediatamente afastado” e que não voltará à unidade. A pasta diz que “repudia toda conduta desse tipo e considera o caso inadmissível”.

O professor de educação física afirmou à polícia que as acusações são falsas e que estão causando transtorno familiar a ele. A declaração foi dada ao registrar um boletim de ocorrência de ameaça.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EM MARÇO

Venda de carros 100% elétricos teve aumento de 973% em relação ao ano passado

Os híbridos venderam 7.411 exemplares em março, com aumento de 9,5% em relação a fevereiro deste ano e de 37,4% em comparação a março de 2023

ECONOMIA

O que é o arcabouço fiscal e por que ele é tão importante?

Sistema veio em substituição ao regime de teto de gastos, vigente desde o governo Temer até o fim de 2022

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter