Publicidade

X

Mundo

Aos 94 anos, morre, na França, o cantor Charles Aznavour

Em mais de 70 anos de carreira, Aznavour gravou 1.400 canções em pelo menos oito idiomas e apresentou-se em lugares requintados, como Carnegie Hall, em Nova York, e Albert Hall, em Londres Por Agência Brasil

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 01/10/2018 às 15:55

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Morreu hoje (1º), aos 94 anos, na França, o cantor francês de origem armênia Charles Aznavour. Em mais de 70 anos de carreira, gravou 1.400 canções em pelo menos oito idiomas (francês, inglês, italiano, espanhol, alemão, russo, armênio e napolitano), e apresentou-se em lugares requintados, como Carnegie Hall, em Nova York, e Albert Hall, em Londres.

Não foram divulgados detalhes sobre a causa da morte, nem horários do velório e sepultamento do artista. A imprensa internacional informa que a morte foi confirmada por um porta-voz.

Nascido Hahnour Varinag Aznavourian, Charles Aznavour lançou mais de 100 álbuns, vendeu mais de 180 milhões de discos e participou de 60 filmes. Em 1998, Aznavour foi nomeado Entertainer of the Century pela CNN e usuários do Time Online de todo o mundo.

Reconhecimento

De acordo com seu fã-clube nas redes sociais, o cantor foi reconhecido como o melhor desempenho do século, com quase 18% do total de votos, superando Elvis Presley e Bob Dylan.

Charles Aznavour cantou duetos com artistas, como Paul Anka, Plácido Domingo, Sting, Josh Groban, Mouskouri Nana, Mireille Mathieu, Dalida, Céline Dion, Laura Pausini, Bono, Carole King, Renaud Line, Serge Lama, Herbert Grönemeyer, Bryan Ferry e dois duetos póstumos com Frank Sinatra e Dean Martin.

Aznavour usou sua fama para ajudar na causa dos armênios refugiados no mundo, colaborando financeira e politicamente.

A fundação, criada por ele, destina-se à causa armênia. Yerevan, a capital da Armênia, abriga um centro cultural com o nome de Aznavour.

O ex-presidente francês Jacques Chirac nomeou Aznavour um oficial da Legião de Honra por seu engajamento político e social.

Em dezembro de 2008, o cantor recebeu a cidadania armênia, e ele era embaixador do país na Suíça e no Unicef - Fundo das Nações Unidas para a Infância - desde 2009.


*Com informações da DW, agência pública de notícias da Alemanha

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

IMUNIZAÇÃO EM TODO O PAÍS

Com doses próximas do vencimento, Saúde amplia vacinação contra dengue até 59 anos

Criança e adolescente de 6 a 16 anos podem se vacinar até 30 de abril

NA CAPITAL PAULISTA

Lula é reprovado por 46% dos paulistanos; aprovação do presidente é de 43%

Os dados são do Instituto Badra, divulgados com exclusividade pela Gazeta nesta quinta-feira

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter