Publicidade

X

Esportes

Justiça da Suíça nega efeito suspensivo e Guerrero segue sem poder jogar

Com a decisão, o atleta de 34 anos continua inapto a atuar pelo Internacional por conta da punição por doping que se encerra em abril de 2019 Por Folhapress

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 01/10/2018 às 16:25

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O Tribunal Federal da Suíça anunciou nesta segunda-feira (01) que rejeitou efeito suspensivo à punição aplicada pela CAS (Corte Arbitral do Esporte) ao atacante peruano Paolo Guerrero. Assim, o atleta de 34 anos continua inapto a atuar pelo Internacional por conta da punição por doping que se encerra em abril de 2019.

Agora, o jogador tem um recurso apresentado por sua defesa na CAS como última instância para não cumprir a pena por completo. O julgamento do recurso ocorrerá até o fim do mês. A informação foi confirmada pela reportagem do UOL Esporte.

O atacante aguardava esta situação ansiosamente. Está no Peru e vem realizando atividades físicas e técnicas sob comando de profissionais contratados de forma particular, já que não pode sequer utilizar as dependências do clube com o qual tem vínculo devido à punição.

Guerrero foi a principal contratação do atual vice-líder do campeonato. No entanto, quando estava prestes a estrear viu cair a primeira liminar contra a mesma punição, que o autorizou a jogar a Copa do Mundo pela seleção peruana e alguns jogos pelo Flamengo na volta.

Desde então sua rotina limitou-se a treinamentos particulares e a busca incessante por provar sua inocência.

A defesa do jogador argumenta que um chá para gripe servido no hotel em que a seleção peruana estava hospedada foi que carregou a substância proibida ao corpo do atleta. Ele, portanto, não teve nenhuma responsabilidade sobre a situação.

Após a partida contra o Vitória, domingo, a direção do Internacional já se mostrava pessimista e falava na liberação para 2019.

"É difícil reverter essa situação. E quando a gente pensou em contratar ele a primeira vez, já estava punido. Eu falei isso, era para contratar para 2019, e da mesma forma pensamos na contratação. E durante este período houve a liberação para jogar a Copa do Mundo, até nos surpreendeu, o Flamengo conseguiu por mais um tempo. O que mudou a situação que imaginávamos lá no começo. Mas é evidente que gostaríamos dele liberado, seria uma ótima opção, mas não procuramos desperdiçar energia e foco nisso. Estamos focados no nosso grupo e em resolver as nossas questões", disse o vice de futebol Roberto Melo.

O CASO

Guerrero foi julgado e punido pela Fifa com um ano de afastamento por conta de um teste positivo de doping para substância benzoilecgonina, principal metabólico da cocaína e da folha de coca. O exame foi feito após a partida entre Peru e Argentina em Buenos Aires, válida pelas Eliminatórias para Copa do Mundo, disputada em outubro de 2017.

Em seguida, entrou com recurso por meio do Comitê de Apelações da entidade e reduziu a pena, em um primeiro momento, para seis meses. Em maio, porém, o caso foi à Corte Arbitral do Esporte (CAS), que aplicou 14 meses de suspensão. Guerrero foi buscar seus direitos além do âmbito esportivo e conseguiu efeito suspensivo no Tribunal Federal Suíço no fim do mesmo mês.

Com a liberação provisória, atuou pelo Peru na Copa do Mundo e, desde o regresso do Mundial, jogou mais quatro partidas pelo Flamengo. Em seguida, foi contratado pelo Internacional e tinha estreia marcada para o jogo contra o Palmeiras. No entanto, viu cair a liminar que o liberava para atuar e voltou a estar proibido de qualquer atividade como profissional do futebol.

O vínculo de Guerrero esteve, desde então, suspenso. Sem pagar salários, como previsto no acordo, o Internacional ainda poderá ampliar o contrato do atleta em tempo correspondente ao período de afastamento.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EM MARÇO

Venda de carros 100% elétricos teve aumento de 973% em relação ao ano passado

Os híbridos venderam 7.411 exemplares em março, com aumento de 9,5% em relação a fevereiro deste ano e de 37,4% em comparação a março de 2023

ECONOMIA

O que é o arcabouço fiscal e por que ele é tão importante?

Sistema veio em substituição ao regime de teto de gastos, vigente desde o governo Temer até o fim de 2022

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter