X

Brasil

MP fecha acordo com Samarco para indenizar atingidos por desastre em Mariana

A estimativa do promotor Guilherme de Sá Meneghin, responsável pelo acordo, é de que sejam pagos R$ 2 bilhões Por Estadão Conteúdo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 03/10/2018 às 18:50

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O Ministério Público no Estado de Minas Gerais (MP-MG) e a Fundação Renova fecharam acordo para indenização de atingidos pelo rompimento da barragem da Samarco, em Mariana. O desastre ocorreu em 5 de novembro de 2015.

Pelo termo, cada morador com direito à indenização terá de negociar diretamente com a Renova o valor a receber. A estimativa do promotor Guilherme de Sá Meneghin, responsável pelo acordo, é de que sejam pagos R$ 2 bilhões.

O desastre matou 19 pessoas e destruiu o distrito de Bento Rodrigues. A lama que desceu da barragem destruiu flora e fauna, além de ter atingido o Rio Doce e alcançado o Oceano Atlântico pelo litoral do Espírito Santo, onde está a foz do curso d'água

O acordo, que foi fechado nesta terça-feira, 2, no entanto, vale exclusivamente para moradores de Mariana atingidos. Um total, hoje, de aproximadamente 3 mil pessoas, mas que pode chegar a 4 mil, segundo o promotor.

A Fundação Renova, que vai negociar com os atingidos, é formada por representantes da Samarco, das suas duas controladoras (BHP Billiton e Vale) e do setor público.

O documento foi assinado pela Fundação Renova e o Ministério Público, tendo a participação dos atingidos, acompanhados da Assessoria Técnica Cáritas, e da Defensoria Pública. O acordo permite que cada um dos atingidos possa se reunir com a Renova para negociar uma proposta de indenização individual.

O promotor Meneghin nega que a negociação diretamente entre o atingido, individualmente, e a Renova, possa colocar o indenizado em situação fragilizada para o acerto de valor a ser pago. "Asseguramos assessoria jurídica a todas as vítimas. Não há problema. Tudo vai ser acompanhado. As famílias serão orientadas", garante.

O promotor afirma ainda que, caso a vítima não concorde com a negociação com a Renova, poderá acionar a Justiça com dispositivo chamado de liquidação e cumprimento de sentença, com a decisão do valor a ser pago cabendo ao juiz.

Prazos

A previsão é que os cadastros para início da negociação sejam entregues até fevereiro de 2019. Em seguida, abre-se prazo de três meses para que a fundação apresente proposta, que terá, a partir de então, um ano para ser concluída. Meneghin diz que as primeiras indenizações - incluindo danos morais e materiais - devem ser pagas já no primeiro semestre de 2019.

O termo extingue ação do MP impetrada logo depois do desastre no mesmo valor estimado a ser pago pelas empresas com o acordo: R$ 2 bilhões. A ação pedia indenização e assentamento de atingidos pelo desastre. Do montante, R$ 300 milhões foram depositados e, agora, serão utilizados no pagamento das indenizações que partirão do acordo fechado nesta terça-feira.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

MELHORE SEU DESEMPENHO

Como ir bem na entrevista de emprego? Veja dicas de especialista

Com a competição acirrada no mercado de trabalho, as entrevistas de emprego têm se tornado um processo cada vez mais importante

ATUALIZAÇÃO DO CASO

Novo suspeito de participar do sequestro de PM no Litoral é preso

Imagens de câmeras de segurança registraram suspeito ao lado de Luca Romano Angerami, que continua desaparecido; caso é investigado

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter