Publicidade

X

Estado

Entidade paulista terá fundo de previdência complementar de municípios

As cidades de Birigui, Jales, Rubineia, Santos, Ribeirão Preto e Santa Fé do Sul também devem aderir ao movimento de municípios Por Folhapress De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 04/10/2018 às 11:25

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A fundação que administra a previdência complementar dos servidores paulistas (SP-Prevcom) foi autorizada a criar um fundo para funcionários de um grupo de municípios paulistas.

A aprovação da Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar) fui publicada nesta quarta (3), e autoriza também a adesão de Birigui (SP), 1 dos cerca de 10 municípios que já haviam assinado protocolo de intenção com a entidade.

No estado, as cidades de Jales, Rubineia, Santos, Ribeirão Preto e Santa Fé do Sul também pretendem aderir. A capital de Alagoas, Maceió, também firmou protocolo de intenção com a SP-Prevcom.

Os fundos de previdência complementar são planos opcionais para servidores que ganham acima do teto (R$ 5.645,80 em 2018). Sua criação visa conter, no futuro, o deficit dos RPPS (Regimes Próprios de Previdência Social), que cuidam da aposentadoria dos funcionários públicos.

Esse rombo existe porque, na maioria dos regimes próprios, são as contribuições de quem está na ativa que pagam os benefícios de quem se aposentou. Como o custo das aposentadorias é maior que a arrecadação de contribuições, os sistemas têm apresentado déficits crescentes.

Em dez anos, cerca de metade dos servidores estaduais do país vai se aposentar, o que deve agravar a situação.

Em São Paulo, o sistema de previdência complementar foi adotado em 2011 - funcionários que ingressaram a partir dessa data tiveram sua aposentadoria social limitada ao teto, com a opção de aderir ao plano para complementar o benefício.

Com a medida, espera-se que o déficit nas contas do estado - que chegará perto de R$ 49 bilhões em 2047 - reflua a partir da década de 2050.

No mês passado, Rondônia passou a ser o primeiro estado a ter um fundo de previdência complementar administrado pela entidade paulista.

Há protocolos de intenção firmados também com os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

O objetivo do plano multipatrocinado é repartir o custo de administração entre municípios que não teriam condições de patrocinar um plano exclusivo.

A adesão de outros entes federativos também beneficia a entidade paulista, porque otimiza os custos fixos - como a Prevcom não tem fins lucrativos, cai também a taxa cobrada dos beneficiários.

De acordo com as regras da entidade, o servidor poderá investir o percentual que quiser da fatia que excede o teto, e o governo correspondente credita um valor equivalente, até um teto - em São Paulo e Rondônia, ele é de no máximo 7,5%.

Para equilibrar os custos de administração, é necessária a adesão de ao menos mil funcionários. Até que seja atingido esse limite, os governos que aderem aos planos bancam os gastos, que vão sendo reduzidos progressivamente.

No caso de Rondônia, os cálculos atuariais preveem que a cobertura extra do governo chegue a zero em cinco anos.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

lançamento

Conheça Versão Savana: a mais radical da Mitsubishi L200 Triton

Apresentada há um ano, a atual L200 Triton Savana tem preço sugerido de R$ 299.990 e é produzida em Catalão (GO)

EMPATE

Corinthians empata com Atlético-MG em jogo morno

Partida acabou em 0 a 0 neste domingo (14), na Neoquímica Arena

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter