Publicidade

X

Estado

Acusado de matar a filha após deixar a cadeia segue foragido

O homem de 28 anos é acusado de matar a filha de 13 anos a facadas em São Roque, no interior de São Paulo Por Estadão Conteúdo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 04/10/2018 às 19:10

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A polícia paulista continua à procura do caseiro H.N.L., de 28 anos, acusado de matar a filha pouco depois de sair da cadeia. L.T.L., de 13 anos, foi assassinada a facadas em São Roque, no interior de São Paulo, porque teria denunciado o pai pelo crime de estupro.

Até o início da tarde desta quinta-feira, 4, o suspeito continuava foragido. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP) esclareceu que a Polícia Civil realiza diligências para localizá-lo. Foi solicitada medida protetiva para a mãe da garota, "também agredida pelo caseiro".

A menina teria sido morta na madrugada desta quarta-feira, 3, porque se negou a retirar a queixa de estupro feita em junho deste ano contra o pai. O acusado já havia cumprido pena por violentar a cunhada de 20 anos que tem problemas mentais. O crime ocorreu em 2012, mas demorou para ser denunciado e não houve flagrante.

Ele chegou a ser detido na época, mas acabou solto para responder em liberdade. Condenado a oito anos de prisão, em junho deste ano foi mandado para a Penitenciária de Capela do Alto (SP). Após entrar com recurso na Justiça e comprovar ter residência fixa e outros atenuantes, ele foi colocado em liberdade na terça-feira, 2.

Quando estava preso, a filha também resolveu contar que tinha sido vítima de abuso do próprio pai. Detalhes do crime foram relatados na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), onde o inquérito ainda não havia sido finalizado.

Um dia após sair da prisão, ele foi atrás da filha em um sítio no bairro Guaçu 2, em São Roque, onde morava com a mãe, para pedir que retirasse a queixa, mas ela não quis.

A negativa fez com que a garota fosse morta a facadas. Ele agrediu ainda a mãe da vítima, que correu e se trancou em um cômodo na casa da vizinha. A mulher contou que o acusado tentou enforcá-la ao vê-la com o celular ligando para a polícia.

Antes de matar a filha, o homem trancou o irmão dela, de 6 anos, dentro de um quarto. Foi a criança que informou aos policiais o que havia ocorrido quando eles chegaram ao local. O suspeito teria fugido a pé entrando por uma mata nas imediações.

'Nervosismo'

Em entrevista à TV TEM, afiliada da Rede Globo, T.T., mãe da menina, falou que o acusado inicialmente estava calmo e até abraçou a filha e chorou com ela pelo ocorrido. Mas quando viu que ela não ia retirar a queixa, ficou violento.

"Ele me grudou pela garganta e me deu um murro no nariz", contou Depois ela fugiu e diz se arrepender de não ter ficado para defender a filha. "Na hora do nervosismo, a reação da gente não se explica."

O corpo de L.T.L. foi sepultado na manhã desta quinta-feira, 4, no Cemitério do Cambará, em São Roque.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

PARAGUAÇU PAULISTA

VÍDEO: Câmeras flagram menino de 12 anos furtando moto no interior SP

Veículo foi abandonado momentos depois; testemunha prestou depoimento à polícia

SABESP CAMINHA PARA PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Sabesp é aprovada em SP: veja como cada vereador votou

Projeto de lei que viabiliza a privatização da Sabesp recebeu 36 votos favoráveis e 18 contrários na Câmara de SP; proposta ainda precisa passar por 2ª votação

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter