X

Brasil

Banco Mundial corta previsão do PIB brasileiro para 1,2% em 2018

A instituição reduziu suas expectativas para o PIB do Brasil de 2,4% neste ano para 1,2% e de 2,5% em 2019 para 2,2% Por Folhapress De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 05/10/2018 às 19:10

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A desaceleração da economia brasileira, que contribui com mais de um terço do PIB (Produto Interno Bruto) da América Latina e do Caribe, é um dos entraves para o crescimento da região em 2018, aponta o Banco Mundial em relatório divulgado nesta sexta-feira (5).

A instituição reduziu suas expectativas para o PIB do Brasil de 2,4% neste ano para 1,2% e de 2,5% em 2019 para 2,2%. No acumulado em 2018, a economia brasileira avançou 1,1%, segundo o IBGE.

Em relatório, o Banco Mundial ressalta que o Banco Central brasileiro cortou sua estimativa de crescimento em 2018 para 1,6%, ante 2,6%, após um movimento de caminhoneiros paralisar grandes setores da economia do país.

"A persistência de grandes e aparentemente intratáveis déficits fiscais, a falta de uma reforma previdenciária significativa e a crescente incerteza política sobre as eleições de outubro, em conjunto com a recente apreensão no mercado internacional, colocaram em questão mesmo esse crescimento modesto", diz o documento.

Em setembro, a autoridade monetária brasileira promoveu novo corte na projeção do PIB no ano, para 1,4%.

Além do ritmo econômico fraco no Brasil, a piora generalizada no cenário global, a crise macroeconômica na Argentina e a contínua deterioração da situação na Venezuela fecham o quadro que levou à redução da expectativa de crescimento do bloco América Latina-Caribe para 0,6% em 2018 e 1,6% em 2019 - em abril, as previsões eram de 1,8% e 2,3%, respectivamente.

O desempenho da região é pressionado pela América do Sul, onde é esperada uma contração de 0,1% neste ano e um crescimento de 1,2% em 2019 - sem a Venezuela, a instituição diz que poderia haver avanço de 1,2% e 1,9%.

No relatório anterior, o Banco Mundial projetava crescimento de 1,5% e 2,1% para a América do Sul.

O documento observa que, após uma desaceleração de seis anos, a América Latina e o Caribe haviam crescido 1,1% em 2017 e esperava-se, até abril deste ano, um avanço a taxas ainda mais elevadas nos anos subsequentes. "Infelizmente, nos últimos seis meses, a região encontrou alguns solavancos na estrada", disse o Banco Mundial no relatório.

A previsão do PIB argentino -país que precisou recorrer ao FMI (Fundo Monetário Internacional) em meio a uma crise fiscal e cambial-, por exemplo, foi revista de um crescimento de 2,7% para uma retração de 2,5% neste ano e de uma alta de 2,8% em 2019 para queda de 1,6%.

Em contraste às expectativas para a América do Sul, a porção central do continente e o Caribe devem seguir se expandindo em ritmo saudável, de 2,8 e 3,7%, respectivamente, em 2018. Para o ano seguinte, as estimativas são de avanços de 3,2% e 3,5%.

Segundo o Banco Mundial, o México deverá crescer 2,3% em 2018 (contra 2% no ano anterior) e em 2019, num ritmo estável, ainda que abaixo do potencial.

Apesar do crescimento projetado de 1,6% para a região em 2019, o documento ressalta que a situação global ainda parece preocupante, com considerável incerteza política no Brasil, um provável aprofundamento da recessão na Argentina, dúvidas sobre a sustentabilidade de algumas reformas
México e guerras comerciais "em erupção com frequência alarmante".

Fatores externos que continuam relativamente favoráveis à América Latina e ao Caribe incluem o crescimento robusto nos Estados Unidos, o ainda forte crescimento da China, apesar da desaceleração, e a recuperação no preço das commodities.

"A nuvem escura no horizonte é claramente a normalização da política monetária nos Estados Unidos que, aumentando as taxas de juros, contribuiu para uma drástica reversão do fluxo de entrada de capital na região, um fortalecimento do dólar e uma queda na maioria das principais moedas dos mercados emergentes", diz o relatório.

Segundo o Banco Mundial, a entrada de capital líquido na região, medida pelo acumulado em 12 meses, atingiu um pico de US$ 49,6 bilhões (R$ 193,4 bilhões) em janeiro deste ano, mas despencou para US$ 18,8 bilhões (R$ 73,3 bilhões) em agosto.

ENDIVIDAMENTO

Para agravar os problemas, diz o documento, a fraca situação fiscal da área quase não melhorou no ano passado, com 29 dos 32 países projetados para mostrar um saldo orçamentário global negativo em 2018.

Como resultado, a dívida pública externa ultrapassou 60% do PIB para a região como um todo, com seis países com índices de endividamento acima de 80%, completa o documento.

Os altos níveis de endividamento enfraquecem as notas de crédito dos países perante agências de classificação de risco e tornam o acesso e o custo do crédito internacional mais desafiadores.

"O aumento da dívida também reduz o espaço fiscal e restringe severamente a possibilidade de usar a política fiscal como uma ferramenta contracíclica justamente num momento em que muitos bancos centrais da região sentem a necessidade de elevar as taxas para defender a moeda nacional ou, pelo menos, garantir uma 'depreciação ordenada'", aponta o relatório.

Para o Banco Mundial, a recuperação frágil da região destaca a necessidade de aumentar esforços em construir resiliência e gerenciar riscos.

"Agora que a região está crescendo novamente, é hora de se preparar melhor contra riscos e construir resiliência a choques, para que os países não percam em um dia o que levaram anos para conquistar", disse Jorge Familiar, vice-presidente do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe.

"Não temos como escapar do fato de que nós vivemos em um mundo com muitos riscos, mas a boa notícia é que agora nós entendemos melhor esses riscos e temos ferramentas para controlá-los com mais sucesso do que no passado", completa.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Colheita de café em SP

Colheita de café no maior cafezal urbano do mundo reúne famílias em São Paulo

Evento marcou a abertura oficial da safra do café, que prossegue até a primavera, distribuindo sabores, aromas, colorido e riquezas por todo o Estado   

Mistério

Adolescente de 15 anos suspeito de triplo homicídio é encontrado morto

Principal suspeito de matar uma família na cidade vizinha de Agudos desapareceu logo após a descoberta dos corpos

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter