Publicidade

X

Brasil

Após perder eleição, presidente do Senado anuncia 'recolhimento à vida pessoal'

Eunício alcançou 16,93% dos votos no Estado e ficou atrás de Cid Gomes (PDT), que ficou em primeiro com 41,62%, e Eduardo Girão (PROS), que registrou 17,09% das preferências Por Estadão Conteúdo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 08/10/2018 às 18:15

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Após ficar em terceiro lugar e não conseguir se reeleger no Ceará, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), divulgou comunicado nesta segunda-feira, 8, no qual diz receber com "reverência" e "respeito" a determinação "imposta pelas regras democráticas". O senador agradeceu aos eleitores com "humildade" e "honra" e anunciou que irá recolher-se à vida pessoal.

"O voto é a forma como o povo se manifesta nas democracias. Foi a partir das urnas que os brasileiros, e os cearenses em particular, demonstraram os anseios de mudança. Recebo com reverência e respeito essa determinação imposta a todos nós pelas regras democráticas, pelas quais tanto lutei. Agradeço, com muita honra e humildade, aos 1.313.793 cearenses que seguiram confiando em mim. Recolho-me agora à vida pessoal. Desejo boa sorte e energia para os que foram eleitos", diz o texto.

Eunício alcançou 16,93% dos votos no Estado e ficou atrás de Cid Gomes (PDT-CE), que ficou em primeiro com 41,62%, e Eduardo Girão (PROS-CE), que registrou 17,09% das preferências. Em números absolutos, o senador do MDB perdeu a reeleição por 11 993 votos, diferença entre ele e Girão.

Apesar de não integrar oficialmente a chapa do PDT e PT no Estado, Eunício havia feito um acordo informal com Cid Gomes e o atual governador do Ceará, Camilo Santana (PT-CE). No caso, a chapa de Camilo deixou de lançar um outro nome ao Senado, além de Cid Gomes (PDT-CE), irmão de Ciro, para deixar caminho aberto para Eunício. Quem acabou sacrificado foi o senador José Pimentel (PT-CE), que almejava a reeleição, mas teve a candidatura rifada pelo próprio partido.

O conchavo com Eunício irritou parte da militância, que chegou a comemorar a derrota do emedebista quando o resultado foi anunciado num telão colocado em frente ao comitê de campanha de Ciro Gomes (PDT), em Fortaleza, na noite deste domingo (7). Além disso, o presidenciável do PDT rechaçava Eunício publicamente sempre que tinha oportunidade em atos e comícios, ao longo do período eleitoral.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

PARAGUAÇU PAULISTA

VÍDEO: Câmeras flagram menino de 12 anos furtando moto no interior SP

Veículo foi abandonado momentos depois; testemunha prestou depoimento à polícia

SABESP CAMINHA PARA PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Sabesp é aprovada em SP: veja como cada vereador votou

Projeto de lei que viabiliza a privatização da Sabesp recebeu 36 votos favoráveis e 18 contrários na Câmara de SP; proposta ainda precisa passar por 2ª votação

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter