Publicidade

X

Estado

Gaviões atacam pedestres no centro de Limeira

Áreas de rua são isoladas após ataques de gaviões com filhotes. GCM foi acionada depois que os pássaros avançaram sobre várias pessoas Por Estadão Conteúdo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 16/10/2018 às 22:18

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Dois trechos da calçada de pedestres de uma rua da região central foram interditados pela Defesa Civil na segunda-feira, depois de sucessivos ataques de gaviões aos passantes, em Limeira, interior de São Paulo. Uma vistoria feita pela Guarda Civil Municipal, com apoio do Corpo de Bombeiros, identificou a razão da fúria da aves. Uma das árvores da rua Gustavo Nilsson, na Vila São Luiz, abriga um ninho com dois filhotes de gavião-carijó, ave de rapina predominante entre os gaviões brasileiros.

De acordo com o GCM Wagner Morente, a corporação foi acionada depois que os pássaros avançaram sobre várias pessoas que caminhavam pela rua. “Foi observado que os gaviões estavam inquietos e, ao inspecionar as árvores, os bombeiros localizaram os ninhos.” Segundo ele, as aves avançam sobre os passantes para mantê-los afastados do ninho, num instinto de defesa dos filhotes. A área próxima às duas árvores, uma de cada lado da rua, foram cercadas com fitas de isolamento.

Na manhã de terça-feira, o pelotão ambiental da GCM foi ao local para orientar a entrada de alunos de uma escola particular que fica próxima das árvores. A direção do estabelecimento decidiu mudar a entrada e saída de alunos para uma portaria mais distante para evitar possíveis ataques. Muitos curiosos estão indo à rua na tentativa de observar os pássaros. As pessoas estão sendo orientadas a não se aproximarem da árvore que tem o ninho com filhotes.

De acordo com a Defesa Civil, as aves silvestres são protegidas por leis ambientais e seus ninhos não podem ser removidos. Conforme Morente, as áreas continuarão isoladas até que os gaviões deixem a região naturalmente. O trânsito de veículos na rua continua normal. O gavião-carijó tem entre 30 e 40 cm de comprimento e se alimenta de insetos, pequenos roedores e aves menores. Por ser considerada predadora de galinheiros, a ave já foi muito caçada nos meios rurais, mas não está em lista de animais ameaçados de extinção.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SABESP CAMINHA PARA PRIVATIZAÇÃO

Privatização da Sabesp é aprovada em SP: veja como cada vereador votou

Projeto de lei que viabiliza a privatização da Sabesp recebeu 36 votos favoráveis e 18 contrários na Câmara de SP; proposta ainda precisa passar por 2ª votação

IMUNIZAÇÃO EM TODO O PAÍS

Com doses próximas do vencimento, Saúde amplia vacinação contra dengue até 59 anos

Criança e adolescente de 6 a 16 anos podem se vacinar até 30 de abril

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter