Publicidade

X

Mundo

Ataque a escola secundária na Crimeia deixa mortos e feridos

Segundo o último balanço, 17 pessoas morreram e 50 ficaram feridas, a maioria adolescentes. Ainda não há pistas das motivações por trás do ataque Por Folhapress De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 17/10/2018 às 15:20

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Um ataque a uma escola técnica secundária deixou mortos e feridos na cidade de Kerch, na Crimeia, península ucraniana ocupada pela Rússia.

Inicialmente, o caso foi tratado como ato terrorista, mas depois autoridades disseram que foi um assassinato em massa cometido por um aluno da instituição.

Segundo o último balanço, 17 pessoas morreram e 50 ficaram feridas, a maioria adolescentes. Mais cedo, o primeiro-ministro da Crimeia, Serguei Aksionov, havia falado em 18 mortos.

Câmeras de segurança registraram o momento em que o estudante Vladislav Roslyakov, 18, entrou na escola com um rifle. Lá dentro, ele atirou em vários colegas e depois cometeu suicídio, afirma o Comitê Nacional Antiterrorismo russo. Seu corpo foi encontrado dentro do edifício.

Ainda não há pistas das motivações por trás do ataque.

Alunos e funcionários da escola afirmam que o ataque começou com uma explosão na cafeteria, seguida de outras explosões e de um tiroteio.

Mais cedo, autoridades informaram que um artefato não identificado causou uma explosão no edifício.

"Segundo informações preliminares, um explosivo não identificado, cheio de objetos de metal, foi detonado no refeitório da Escola Secundária Politécnica de Kerch, sendo a maioria das vítimas adolescentes", informou a organização responsável pelos principais casos criminais da Rússia.

A diretora da escola, Olga Grebennikova, descreveu a cena que encontrou quando entrou no edifício após o ataque. "Há corpos em toda parte, corpos de crianças em toda parte. (...) Eles destruíram tudo, havia vidro voando no hall", disse à mídia local. "Eles correram jogando explosivos e foram para o segundo andar com armas e mataram todo mundo que encontraram."

A polícia não descarta a ação de outras pessoas, além de Roslyakov.

As primeiras imagens da televisão local mostraram as equipes de resgate levando as vítimas para ambulâncias improvisadas.

"As vítimas são levadas em veículos comuns, em ônibus, ambulâncias. São crianças e trabalhadores", disse um homem coberto de sangue a um canal de TV local. Ele também citou "tiros".

Um morador disse que a polícia orientou os pais a buscarem seus filhos nas escolas e creches da cidade para garantir sua segurança.

Em 2014, a Rússia anexou a Crimeia, península do Mar Negro, o que gerou críticas da comunidade internacional e sanções ocidentais, mas desde então não houve grandes episódios violentos.

O presidente russo, Vladimir Putin, expressou condolências aos parentes das vítimas.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nova versão

Chevrolet S10: conheça o novo modelo que já está em pré-venda

Nova versão da picape média começará a ser exibida publicamente em feiras agropecuárias

SOLIDARIEDADE

Organização Médicos Sem Fronteiras realiza leilão beneficente em SP

Peças leiloadas são miniaturas da Art Of Love 2021 e valor arrecadado será revertido em doações para os Médicos Sem Fronteiras

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter