Publicidade

X

Brasil

Renan Calheiros diz que não será candidato à presidência do Senado

Calheiros foi presidente da Casa por duas vezes e voltou a ter seu nome ventilado nas últimas semanas em razão dos senadores mais experientes que não conseguiram se reeleger Por Estadão Conteúdo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 17/10/2018 às 20:55

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Reeleito por Alagoas, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) disse nesta quarta-feira, 17, que não vai se candidatar à presidência do Senado em 2019, quando começa a próxima legislatura. Calheiros foi presidente da Casa por duas vezes e voltou a ter seu nome ventilado nas últimas semanas em razão do resultado das eleições, quando os senadores mais experientes do Congresso não conseguiram se reeleger.

"É preciso conhecer o que é que vai chegar nas casas. Isso não é um projeto pessoal. A presidência do Senado e do Congresso não é um fim em si mesmo. Já fui quatro vezes candidato à presidência do Senado. Não sou candidato, não vou postular. Hoje, o Antagonista lançou minha candidatura e disse que já tenho 40 votos. Eu não cogito isso. É preciso compreender a complexidade do momento que vive o País. Eu quero colaborar da planície", afirmou ele. "Não vou mudar de ideia, já fui (candidato) quatro vezes."

Calheiros evitou dizer que o MDB deve ter prioridade para presidir o Senado, já que elegeu a maior bancada da Casa para a legislatura que se inicia no ano que vem. "O regimento diz que (a presidência do Senado deve ficar com a maior bancada) na medida do possível. Na medida do possível é quando você tem condições políticas", afirmou.

O senador foi questionado então sobre como avalia o nome da senadora Simone Tebet (MDB-MS) para o posto, já que ela começa a ganhar força, nos bastidores, como alternativa ao próprio Renan. "O Senado não tem escassez de nomes. A senadora Simone Tibet mesmo é um excelente nome. Eu acho que tem que aguardar. Essa discussão não deve ser tratada antes de fevereiro de 2019."

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EM MARÇO

Venda de carros 100% elétricos teve aumento de 973% em relação ao ano passado

Os híbridos venderam 7.411 exemplares em março, com aumento de 9,5% em relação a fevereiro deste ano e de 37,4% em comparação a março de 2023

ECONOMIA

O que é o arcabouço fiscal e por que ele é tão importante?

Sistema veio em substituição ao regime de teto de gastos, vigente desde o governo Temer até o fim de 2022

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter