Publicidade

X

Brasil

Sobrinho de Brilhante Ustra doa R$ 1.000 para campanha de Bolsonaro

Sócio de uma banca de advogados em Campinas, ele doou na última quinta-feira (18) à Bolsonaro por meio do site Mais Que Voto Por Folhapress

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 19/10/2018 às 18:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Um sobrinho do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra (1932-2015) doou, por meio de uma vaquinha virtual, R$ 1.000 à campanha de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência.

O advogado tributarista Octávio Lopes Santos Teixeira Brilhante Ustra, 41, é filho do único irmão civil do coronel, o advogado José Augusto Brilhante Ustra.

Sócio de uma banca de advogados em Campinas (SP), Octávio doou na última quinta-feira (18) à Bolsonaro por meio do site Mais Que Voto. O site é autorizado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a realizar financiamentos coletivos para candidatos que se inscreverem na plataforma.

O coronel Brilhante Ustra é o único militar que participou da ditadura militar brasileira (1964-1985) apontado oficialmente como torturador pela Justiça. Ele comandou de 1970 a 1974 o DOI (Destacamento de Operações de Informações) de São Paulo, conhecido como dos órgãos mais duros da repressão política do regime.

Ustra morreu em 2015 sem ter sido condenado pelos crimes de tortura e morte pelos quais é acusado.

Bolsonaro frequentemente elogia a atuação do coronel durante a ditadura. Durante seu voto para o impeachment de Dilma Rousseff (PT), Bolsonaro enalteceu a memória do militar no microfone da tribuna.

O irmão advogado de Ustra, cujo filho agora faz doação à campanha de Bolsonaro, teve atuação distinta do coronel durante a ditadura.

Em 2008, em ocasião de uma ação contra Ustra na Justiça de São Paulo, o coronel arquivou documentos ao processo em que relata que sua família chegou a abrigar na época da repressão o então estudante Tarso Genro, antes de o futuro petista seguir para o exílio no Uruguai.

Segundo Ustra relatou, Genro teria sido colega de seu irmão José Augusto na escola ou na faculdade e teria sido por isso que sua família o abrigou por breve período. Na época da divulgação do episódio, em 2008, Genro negou o caso, que veio a público quando José Augusto já havia morrido.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

lançamento

Conheça Versão Savana: a mais radical da Mitsubishi L200 Triton

Apresentada há um ano, a atual L200 Triton Savana tem preço sugerido de R$ 299.990 e é produzida em Catalão (GO)

EMPATE

Corinthians empata com Atlético-MG em jogo morno

Partida acabou em 0 a 0 neste domingo (14), na Neoquímica Arena

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter