X

Mundo

Equador expulsa embaixador da Venezuela após chavista criticar presidente

Ao comentar o discurso do presidente equatoriano na Assembleia-Geral da ONU, o embaixador Jorge Rodríguez chamou Lenin Moreno de mentiroso Por Folhapress De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 20/10/2018 às 00:50

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O governo do Equador expulsou nesta quinta-feira (18) o embaixador da Venezuela em Quito em retaliação a críticas do ministro das Comunicações venezuelano, Jorge Rodríguez, ao presidente Lenín Moreno.

Ao comentar o discurso do equatoriano na Assembleia-Geral da ONU, em que ele citou a imigração de venezuelanos ao país, Rodríguez chamou Moreno de mentiroso e disse que ele foi ordenado para montar a crise migratória, que chamou de farsa.

O presidente equatoriano respondeu: "A ofensa de um miserável sempre enobrece". Em retaliação, Caracas expulsou a encarregada de negócios equatoriana, Elizabeth Méndez, que já estava em Quito para consultas.

O Equador, forte aliado do chavismo durante o governo de Rafael Correa (2007-17), chamou Méndez para consultas. Em meio à polêmica, Maduro declarou que ama o Equador, mas disparou contra Moreno.

"A história só recorda os valentes, os leais. Os traidores e os covardes serão esquecidos (...). Todos que se metem com a Venezuela secam, e os traidores de ontem e de hoje secarão".

A Chancelaria venezuelana classificou de extravagante, intolerante e desproporcional a reação do Equador às declarações de Rodríguez. "Moreno, em um inaudito ato de agressão contra a Venezuela, dedicou um quarto do tempo de sua intervenção para mentir sobre a realidade do fenômeno migratório."

Segundo a Chancelaria, o equatoriano "mentiu" sobre o volume de emigrantes, sobre a atenção que os venezuelanos recebem no Equador e sobre as condições de saúde no país. "É evidente que toda esta falaciosa e hostil argumentação (...) são mera consequência do novo papel atribuído ao governo equatoriano" por Washington, acrescentou.

O governo socialista venezuelano nega que haja uma crise humanitária pela situação socioeconômica, e diz que isso faz parte da campanha internacional contra Maduro.

A ONU calcula que cerca de 1,9 milhão de pessoas deixaram a Venezuela desde 2015, a maioria para países da região, principalmente Colômbia, Peru e Brasil.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ATENÇÃO MOTORISTAS

Perdeu a placa do veículo? veja o passo a passo do Detran-SP para emitir uma nova

Só é permitida a emissão de uma nova placa se o veículo estiver devidamente licenciado, com todas as taxas em dia e sem multas pendentes

Oportunidade

TRF vai iniciar inscrições de concurso com salários de até R$ 13,9 mil; veja cidades

Ao todo, são 263 vagas para os níveis técnico e superior; Inscrições iniciam dia 29 de abril e seguem até o dia 28 de maio

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter