Publicidade

X

Capital

Endividada, Portuguesa abre feira da madrugada no Canindé em novembro

A feirinha deve ser inaugurada em 1º de novembro e funcionará dentro do clube, entre as 2h e as 16h Por Folhapress De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 20/10/2018 às 20:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A Feirinha da Madrugada da Portuguesa, no Canindé (zona norte de SP), deve ser inaugurada em 1º de novembro. É o que estima o presidente do novo espaço, Diego Araújo Agiani, 36 anos.

A feirinha funcionará dentro do clube, em uma área conhecida como areião. Funcionará entre as 2h e as 16h. A estrutura com 1.050 boxes já está praticamente concluída, faltando apenas a construção de uma área que será destinada à alimentação.

Serão comercializadas principalmente roupas, seguindo a vocação da feirinha do Brás, mas também haverá venda de outros produtos, segundo Agiani. "O comércio será feito no atacado e também no varejo. Queremos nos tornar um dos principais polos de compras da América Latina", diz o empresário.

Os boxes servem como opção de trabalho para os cerca de 2.000 comerciantes que não conseguiram ficar no novo modelo de negócio da feirinha montada no Brás.

De acordo com Agiani, o investimento na área do areião foi de R$ 17 milhões. "Vamos investir outros R$ 35 milhões na segunda fase do projeto, com construção de mais 3.000 boxes em dois andares, na área onde ficavam as piscinas", diz.

Agiani conta que todo o investimento é bancado por ele e mais três sócios. O empresário negou ser ex-pastor evangélico. Disse que foi ligado durante vários anos à Renovação Carismática, da Igreja Católica. Sobre processos na Justiça, contou que respondeu a somente um de estelionato, e que foi absolvido por falta de provas.

Tanto Alexandre Barros, presidente da Lusa, quanto a assessoria do clube, não retornaram as ligações do Agora para falar sobre o assunto.

Ceder o espaço para a feirinha é uma forma da Portuguesa arrumar dinheiro para bancar as dívidas, que giram em torno de R$ 350 milhões.

O clube deve receber metade do que for arrecadado com aluguel dos boxes, menos os custos. A estimativa de arrecadação anual, com os gastos, é de R$ 25 milhões, segundo a organização da feirinha.

A Lusa tem recorrido também para festas rave, que chegam a render R$ 50 mil, dependendo do evento. Outro artifício é o aluguel do ginásio para a igreja Renascer, por R$ 60 mil.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

DENTRO DA DIETA

Veja 5 dicas de como comer comida japonesa sem estragar a dieta

Nutrólogo explica quais as melhores escolhas na hora de ir a um restaurante de culinária japonesa sem se preocupar com a dieta

Nova versão

Chevrolet S10: conheça o novo modelo que já está em pré-venda

Nova versão da picape média começará a ser exibida publicamente em feiras agropecuárias

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter