Publicidade

X

Grande São Paulo

Presidente de diretório do PSOL de Cotia diz que sofreu ameaça de estupro por razão política

O ocorrido se deu em Cotia, na noite de 9 de outubro, pela qual ela disputou a prefeitura em 2016 e é presidente do PSOL há três anos Por Folhapress De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 20/10/2018 às 18:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Na noite de 9 de outubro, dois dias após o pleito que alçou Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) à segunda etapa da corrida presidencial, Vanessa Gravino, 40, foi abordada por um motoqueiro. O homem, não identificado, pediu que tivesse calma: não se tratava de um assalto. "Fica na sua no segundo turno ou então saberá o que é um estupro coletivo", disse em seguida.

O ocorrido se deu em Cotia, cidade da Grande São Paulo pela qual Gravino disputou a prefeitura em 2016 e é presidente do PSOL há três anos.

"Não posso e não vou fazer acusações. Pode ter sido uma ameaça pela ameaça, assim como pode não ter sido. De qualquer maneira, ela é política pela construção da frase", diz ela que é professora de história na rede pública estadual.

Alinhada ao seu partido, Vanessa Gravino está engajada publicamente na campanha a favor do candidato petista. O posicionamento é, para ela, fundamental. "Eu não poderia deixar de dizer nas redes e nos atos que o lado no qual estou não prega a violência contra mulheres, população negra e população LGBT."

Por que a tônica da intimidação seria um estupro coletivo? "Querem nos calar usando aquilo que mais machuca a gente. Há, para além da ameaça política, uma carga de machismo e misoginia", acredita.

De acordo com o boletim de ocorrência, o caso foi registrado pela 1º Delegacia de Defesa da Mulher, em São Paulo, e deverá ser encaminhado para delegacia do município de Cotia, que realizará as investigações.

Em nota publicada na página de Guilherme Boulos (PSOL), a direção estadual do partido afirma estar acompanhando a ocorrência e tomando todos os procedimentos legais.

Correligionária de Marielle Franco, vereadora psolista assassinada a tiros em março deste ano, Gravino evoca o episódio. "Foi mais que um sinal para Marielle calar a boca. O que aconteceu é para que qualquer Marielle que possa surgir fique quieta."

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EM MARÇO

Venda de carros 100% elétricos teve aumento de 973% em relação ao ano passado

Os híbridos venderam 7.411 exemplares em março, com aumento de 9,5% em relação a fevereiro deste ano e de 37,4% em comparação a março de 2023

ECONOMIA

O que é o arcabouço fiscal e por que ele é tão importante?

Sistema veio em substituição ao regime de teto de gastos, vigente desde o governo Temer até o fim de 2022

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter