Publicidade

X

Estado

Policiais paulistas envolvidos em tiroteio são transferidos para BH

A suspeita é que os integrantes da corporação paulista faziam escolta ilegal de um empresário que teria ido a Juiz de Fora trocar dólares por reais Por Estadão Conteúdo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 22/10/2018 às 18:50

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Os quatro policiais civis de São Paulo envolvidos em tiroteio com policiais civis de Minas Gerais na sexta-feira, 29, em Juiz de Fora, foram transferidos na manhã desta segunda-feira, 22, para a Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, conforme informações da Superintendência de Estado de Administração Prisional de Minas Gerais (Seap).

Os policiais presos são J.A.B. de M., C.A.F. de L., B.M.M.A. e R.C.S. da C.. O grupo é formado por dois delegados e dois investigadores, que tiveram transferência determinada pela Justiça depois de sentença em audiência de custódia, que transformou em preventiva a prisão temporária dos quatro integrantes da corporação paulista. Neste caso, não há prazo para que sejam soltos. Na prisão temporária, o tempo de permanência na prisão é de cinco dias prorrogável por mais cinco

O caso

Os policiais de São Paulo e de Minas Gerais trocaram tiros na tarde de sexta-feira, 19, no subsolo de um prédio anexo do Hospital Monte Sinai, na cidade da Zona da Mata, por volta das 16h. A Polícia Militar chegou ao local e encontrou o investigador da Polícia Civil de Minas Gerais, R.F., morto. A suspeita é que os integrantes da corporação paulista faziam escolta ilegal de um empresário que teria ido a Juiz de Fora trocar dólares por reais.

Quando o tiroteio começou, o empresário que estava com os dólares conseguiu fugir, mas quase R$ 15 milhões em cédulas de R$ 100, a maioria falsificada, foram apreendidos. Os quatro policiais paulistas foram autuados por lavagem de dinheiro e podem ser implicados pela morte do policial.

Ainda conforme as investigações iniciais, três policiais civis de Minas Gerais teriam conhecimento da transação e foram indiciados por prevaricação. Dois homens, um de 42, em estado grave e outro de 66 anos, que foi baleado no pé, seguem internados no Hospital Monte Sinai. Ambos tiveram prisão temporária convertida em preventiva. Outros cinco policiais civis de São Paulo foram ouvidos e liberados, mas a conduta do grupo ainda está sendo investigada. Nenhum nome foi divulgado pelas autoridades.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EMPATE

Corinthians empata com Atlético-MG em jogo morno

Partida acabou em 0 a 0 neste domingo (14), na Neoquímica Arena

DENTRO DA DIETA

Veja 5 dicas de como comer comida japonesa sem estragar a dieta

Nutrólogo explica quais as melhores escolhas na hora de ir a um restaurante de culinária japonesa sem se preocupar com a dieta

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter