X

Capital

Justiça absolve 18 manifestantes presos com infiltrado do Exército

Os jovens foram detidos durante um protesto contra o presidente Michel Temer em setembro de 2016 Da Reportagem De São Paulo

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 23/10/2018 às 21:04

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Os 18 jovens que foram detidos durante um protesto contra o presidente Michel Temer em setembro de 2016 foram absolvidos pela Justiça de São Paulo. O caso ficou notório pela presença de um capitão do Exército infiltrado no grupo.

Os manifestantes eram acusadas de organização criminosa e corrupção de menores. A juíza Cecília Pinheiro da Fonseca, da 3ª Vara Criminal do Fórum Criminal da Barra Funda, considerou todos inocentes por falta de prova contra eles.

No dia do acontecimento, o grupo foi detido pela polícia em frente ao Centro Cultural São Paulo. Entre eles havia o capitão do Exército W.P.B., que usava o codinome Balta Nunes para ganhar a confiança dos jovens.

Após a detenção, todos foram levados para o Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), menos “Balta”, o que gerou desconfiança no grupo de que seria um militar infiltrado para descobrir informações das ações dos manifestantes.

“E aí no chat que a gente tinha no WhatsApp, ele conversando, falou que estavam mandando ele para outra DP porque ele estava com documento falso. E aí meio que morreu o contato. Ele insistiu um pouco na ideia e a gente achou meio suspeito. Como assim só ele vai para outra DP?”, relembrou um dos jovens.

Pouco depois o Exército confirmou que o homem realmente era do Comando Militar do Sudeste e que estava apurando as circunstâncias da presença dele entre os manifestantes. O inquérito foi arquivado.

W.P.B., hoje major, prestou depoimento à Justiça em junho de 2018. Ele admitiu que estava infiltrado em grupos de Facebook e WhatsApp formado pelos jovens e afirmou que eles eram pacíficos.
Também afirmou que agiu dentro da lei, de acordo com um decreto de Garantia de Lei e da Ordem, utilizado para regular a atuação dos militares em certas situações.

Os jovens ficaram um dia detidos, acusados de usarem a tática “black bloc”, apesar de não terem depredado nada na ocasião. Nenhum tinha antecedente criminal. O juiz que liberou o grupo afirmou que o Brasil, como estado democrático de direito, não pode legitimar a prisão para averiguação.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

MELHORE SEU DESEMPENHO

Como ir bem na entrevista de emprego? Veja dicas de especialista

Com a competição acirrada no mercado de trabalho, as entrevistas de emprego têm se tornado um processo cada vez mais importante

ATUALIZAÇÃO DO CASO

Novo suspeito de participar do sequestro de PM no Litoral é preso

Imagens de câmeras de segurança registraram suspeito ao lado de Luca Romano Angerami, que continua desaparecido; caso é investigado

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter