Publicidade

X

Economia

Cade aprova compra da Kopenhagen pela Nestlé

A aquisição foi anunciada em 7 de setembro de 2023. As empresas eram controladas pela gestora americana Advent International desde 2020

STÉFANIE RIGAMONTI - Folhapress

Publicado em 09/02/2024 às 21:37

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A decisão foi tomada cerca de cinco meses após o anúncio do negócio e anunciada nesta sexta-feira (9). O órgão de regulação da concorrência não impôs restrições / Divulgação/Kopenhagen

A Superintendência-Geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou integralmente a compra pela Nestlé das marcas de chocolate brasileiras Kopenhagen, Cacau Brasil e Kop Koffee, todas do grupo CRM.

Faça parte do grupo do Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

A decisão foi tomada cerca de cinco meses após o anúncio do negócio e anunciada nesta sexta-feira (9). O órgão de regulação da concorrência não impôs restrições.

"Há elementos suficientes para afastar a possibilidade de exercício de poder de mercado pela Nestlé após a operação nos cinco mercados relevantes com sobreposição horizontal e concluiu que as empresas não teriam capacidade ou incentivos para fechar quaisquer dos mercados verticalmente relacionados, de modo que a operação não suscita preocupações concorrenciais", afirmou o Cade.

"Se o tribunal do Cade não avocar o ato de concentração para análise ou não houver interposição de recurso de terceiros interessados, no prazo de 15 dias, a decisão da Superintendência-Geral terá caráter terminativo e a operação estará aprovada em definitivo pelo órgão", afirmou.

A aquisição foi anunciada em 7 de setembro de 2023. As empresas eram controladas pela gestora americana Advent International desde 2020. A expectativa é que o negócio com a multinacional suíça seja concluído neste ano.

A transação, cujo valor não foi anunciado, dará à Nestlé o controle acionário das companhias e inserirá a multinacional no segmento de rede de lojas de chocolates e café.

Juntas, Kopenhagen, Kop Koffee e Brasil Cacau têm mais de mil lojas no Brasil e figuram entre as maiores franqueadoras do país. São 2.000 funcionários -as marcas compartilham cerca de 95% dos empregados.
Renata Moraes Vichi continuará à frente da operação do grupo brasileiro, como acionista e CEO.

"Entendemos que temos uma grande oportunidade de acelerarmos segmentos de maior valor agregado, fortalecendo ainda mais a categoria de chocolates no Brasil", afirmou Marcelo Melchior, CEO da Nestlé Brasil, em nota divulgada na época do anúncio da aquisição.

De acordo com as empresas, o negócio permitirá oportunidades em inovação, digitalização, exploração de novas categorias e canais, além de ampliar iniciativas de sustentabilidade.

"Partimos de um grupo familiar que sempre teve uma governança robusta, com uma cultura forte e propulsora, na qual a preservação dos territórios de cada marca e seus movimentos sempre foi prioridade", disse Vichi, na nota, em setembro.

A Kopenhagen foi fundada em 1928 pelo casal de imigrantes da Letônia Anna e David Kopenhagen. Em 1996, houve troca de controle e a empresa foi adquirida pelo grupo CRM.

O faturamento esperado para o grupo em 2023 é de R$ 1,7 bilhão. A Folha  de S.Paulo apurou que o plano é triplicar o número de lojas até 2026, chegando a 3.000 unidades no país, com expansão da Kopenhagen, Brasil Cacau e Kop Koffee.

Recentemente, a Nestlé anunciou um aumento de investimento no Brasil no total de R$ 2,7 bilhões até 2026. O intuito, segundo a companhia, é expandir no país as suas fábricas de chocolates e biscoitos, que correspondem a uma fatia relevante da empresa.

RAPIDEZ NA APROVAÇÃO CONTRASTA COM AQUISIÇÃO DA GAROTO

Enquanto a aprovação da aquisição da Kopenhagen durou apenas cinco meses, outro negócio da Nestlé demorou mais de 20 anos para receber a aprovação do Cade.

Trata-se da compra da Garoto, que foi autorizada três meses antes do anúncio de aquisição da Kopenhagen e da Cacau Brasil. Uma briga judicial envolvendo a compra da Garoto se arrastava desde 2004.

A transação, que somava R$ 1 bilhão, foi anunciada em fevereiro de 2002, mas vetada pelo Cade dois anos depois, uma vez que as empresas teriam juntas quase 60% do mercado de chocolates no Brasil.

A multinacional suíça recorreu à Justiça. Hoje, Nestlé e Garoto já não dominam o setor como antes.

Um dos termos do acordo que encerrou a briga judicial estabelecia que a Nestlé se comprometia a não adquirir ativos que representassem pelo menos 5% do mercado de chocolates no Brasil por cinco anos.

Na nota publicada pelo Cade nesta sexta-feira, o órgão disse que a operação com a Kopenhagen está dentro desse limite estabelecido para a Nestlé.

RAIO-X | KOPENHAGEN
Fundação: 1928
Lojas: 760
Funcionários: 2 mil (compartilhados com Brasil Cacau e Kop Koffee)
Principais concorrentes: Cacau Show
RAIO-X | NESTLÉ BRASIL
Fundação: 1921
Funcionários: 30 mil
Principais marcas concorrentes: Lacta, Arcor, Hershey, Mondelez

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Assassinato

VÍDEO: Policial aposentado é morto por criminoso na zona leste de SP

Criminoso estaciona e mata policial aposentado; arma do ex-agente é roubada

CRIMINALIDADE

Polícia Civil fecha empresa que aplicava golpes financeiros no centro de SP

Golpe era através de aplicativos de mensagens; 23 pessoas foram apreendidas na operação

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter