X

LITERATURA INFANTIL

Mariana Brecht fala da importância do livro na infância

A escritora considera que seu ofício é mesmo criar histórias, e fala da importância dos livros na infância, além de contar um pouco sobre sua nova obra

Da Reportagem

Publicado em 03/04/2024 às 08:15

Atualizado em 03/04/2024 às 08:26

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A autora reflete que a imaginação é, hoje mais do que nunca, um recurso essencial / Divulgação

De uma geração de jovens escritoras, Mariana Brecht, vencedora do Prêmio São Paulo de Literatura, em 2021, com a autoficção Brazza, lança neste mês seu primeiro livro infantil. 

A escritora, que também é roteirista e designer narrativa de jogos, considera que seu ofício é mesmo criar histórias, e fala da importância dos livros na infância, além de contar um pouco sobre sua nova obra A menina com os pés no chão, editora Florear Livros.

 Segundo Mariana, a literatura nos ensina a imaginar. “O espaço entre cada palavra oferece um vazio que só pode ser preenchido por nossas próprias ideias, e é essa a força da literatura. Apenas uma pequena parte da história está dada; as imagens, os sons, os cenários são moldados pela pessoa que lê”. 

A autora reflete que a imaginação é, hoje mais do que nunca, um recurso essencial. “Em meio à crise climática, o futuro que aguarda as crianças não é promissor. É necessário criar soluções, trilhas, alternativas e formas de convivência que permitam vislumbrar um futuro em um mundo onde a vida seja possível. 
Nesta missão, eu não tenho dúvidas, a literatura é uma de nossas maiores aliadas”, afirma.

Exposição reúne em SP ilustradores negros da literatura infantil

 Seu primeiro texto infantil foi desenvolvido num trabalho com crianças da pré -escola na sala de aula. “Falar sobre Pão com Mamão é uma brincadeira que gosto de fazer em minha biografia, mas também é uma maneira de destacar a importância da criação poética nas salas de aula. O contato com a literatura permite que as crianças expandam seu imaginário e compreendam a si mesmas como sujeitos criativos, sem medo de explorar seus próprios caminhos, seja com os pés no chão ou não”, diz Mariana.
   Para ela, essa abordagem encoraja uma postura inventiva e questionadora, fundamental para nosso modo de vida, em que há muito a ser reinventado.
  O próximo lançamento infanto-juvenil, será no final deste mês, pela Editora Florear Livros. A menina com os pés no chão. A obra tem uma narrativa poética, profunda de emoções como o sentimento do vazio. Algo que tantos jovens sentem hoje. 

Segundo a escritora o que a inspirou foi seu próprio processo terapêutico, que coincidiu com a pandemia, em 2020: “percebi a intensidade dos sentimentos que permeiam minha vida. Sou uma pessoa muito emocionada! Sempre senti tudo com muita profundidade, o tempo todo. Isso me tornava vulnerável em muitas situações, mas também era, de certa forma, um superpoder, permitindo-me estar mais sensível ao meu entorno”. 
 

O grande desafio para ela era aprender a caminhar sem se machucar demasiadamente. “Foi por isso que escrevi a história de Gaia, A Menina com os pés no Chão, um guia para minha própria jornada, uma bússola que apontava para o caminho a seguir”. 

Gaia é a única pessoa do reino com “os pés no chão”, mas e também a personagem mais sonhadora do local. Isso inverte o sentido comum do pragmatismo, desafiando o discurso da “racionalidade acima de tudo” ou a ideia de que ser “pragmático” significa discordar dos sentimentos. Trata-se também de uma história sobre aceitação da diferença, seja ela qual for. 

Na obra as Ilustrações têm um papel muito importante, um trabalho belíssimo da Lumina Pirilampus.

Mariana acredita que os Ilustradores também são autores: “quando recebi o livro com as ilustrações da Lumina, percebi que ele já não era mais apenas o que eu havia escrito, tornara-se algo completamente diferente, infinitamente maior. Ela teve a sensibilidade de capturar os sentimentos que eu desejava transmitir com o livro e transformá-los em imagens, conta.

O lançamento da obra será no dia 27 de abril, das 11h as13h, com uma conversa mediada pela escritora Keka Reis com as autoras do texto e Ilustrações, na Livraria Miúda, Rua Coronel Melo de Oliveira, 766 – Pompeia, São Paulo.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

MELHORE SEU DESEMPENHO

Como ir bem na entrevista de emprego? Veja dicas de especialista

Com a competição acirrada no mercado de trabalho, as entrevistas de emprego têm se tornado um processo cada vez mais importante

ATUALIZAÇÃO DO CASO

Novo suspeito de participar do sequestro de PM no Litoral é preso

Imagens de câmeras de segurança registraram suspeito ao lado de Luca Romano Angerami, que continua desaparecido; caso é investigado

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter