últimas notícias

Automotor

Nem mais nem menos

Com ótima pegada e regulável em altura e distância, o volante de diâmetro reduzido proporciona uma instantânea percepção de esportividade a quem senta no lugar do motorista do crossover compacto da Peugeot - mesmo que, em termos dinâmicos, tal esportividade nem seja efetiva. No caso dessa versão 1.6 Griffe AT, o motor 1.6 aspirado até dá conta do recado, mas sem proporcionar maiores descargas de adrenalina. As trocas do câmbio automático de 6 velocidades são eficientes, porém, as retomadas não são tão vigorosas. Para obter acelerações mais rápidas no 1.6 aspirado, é necessário pisar fundo no pedal do acelerador, o que aumenta o nível de ruído a bordo - a utilização do modo manual do câmbio, acionável na alavanca, ajuda a tornar o comportamento dinâmico mais instigante. Contudo, o controle eletrônico de estabilidade ESP foi reservado para a versão THP. Também não há controle eletrônico de tração.

Quando o motorista consegue resistir às sugestões de esportividade oriundas do volante pequeno e opta por um estilo mais "civilizado" no trânsito, o 2008 1.6 Griffe AT mostra que oferece boa dirigibilidade e entrega um rodar suave. A direção é agradável em manobras e torna-se gradualmente firme em velocidades mais altas. Com seu conjunto suspensivo bem equilibrado, aderna pouco nas curvas. A suspensão elevada, com vinte centímetros de vão livre e o ângulo de entrada de 23 graus até ajudam a se passar facilmente por lombadas e encarar com desenvoltura trilhas leves, no entanto, a ausência de tração 4x4 não recomenda maiores ousadias no off-road.

Comentários

Tops da Gazeta