últimas notícias
O antes hatch ganhou roupagem de um estiloso SUV compacto
O antes hatch ganhou roupagem de um estiloso SUV compacto
Foto: Divulgação

As novidades da nova geração do Citroën C3

A Citroën revela – em parte – a nova geração do C3, que será mostrada por inteiro no primeiro trimestre de 2022

Mais de meio ano antes da estreia da nova geração, a Citroën promoveu o “lançamento” mundial e uma espécie de “reserva de espaço” do novo C3. A motorização é um dos tantos “segredos guardados a sete chaves” pronunciados de forma monocórdia pela comunicação da marca francesa pertencente à Stellantis durante a “live”. Preços e versões, nem pensar, apenas a promessa que virão junto com a chegada do carro, no primeiro trimestre de 2022. De concreto, o antes hatch surgido em 2002 passou por uma grande reestilização, inclusive, mudando de turma, ganhando roupagem de um estiloso SUV compacto – na verdade, o novo modelo parece um “pequeno Cactus”, uma versão menor do carro mais vendido da marca no Brasil. “Assegurar o futuro da Citroën exige uma maior presença internacional e a consolidação da marca em todos os mercados em que operamos, incluindo a América do Sul, o Oriente Médio, a África, Ásia e China, bem como uma abertura para outros países, como a Índia. Para isso, desenvolvemos um ambicioso plano de produtos que prevê o lançamento de três modelos com vocação internacional em três anos. Modelos pensados, desenvolvidos e produzidos em regiões estratégicas. O novo C3 é uma peça essencial dessa aceleração e o primeiro estágio de nossa estratégia de crescimento. É um hatch que mira um dos principais segmentos da América do Sul”, explicou Vincent Cobée, CEO da Citroën.

Macaque in the trees
O novo carro terá uma carroceria de duas cores, com uma linha de separação bem nítida entre a parte de baixo e a capota - Divulgação

Se a marca francesa prefere manter segredos, é possível fazer algumas especulações com base no que a Stellantis (união da FCA – Fiat e Chrysler – e da PSA – Peugeot e Citroën) tem a oferecer em termos de motorização para o novo C3. Provavelmente, uma das versões do C3 hatch-SUV terá “powertrain” herdado do Peugeot 208, um 1.6 aspirado bicombustível de até 118 cavalos de potência, 15,4 kgfm de torque e câmbio automático de 6 marchas. Nas configurações de entrada, pode ter o 1.0, também aspirado, Firefly da Fiat de 77 cavalos, 10,9 kgfm e câmbio manual de 5 velocidades, o mesmo do Argo e do Mobi. O mais provável: o novo C3 deve ter o motor 1.0 GSE turbo que estreará no primeiro SUV da Fiat no Brasil, o Pulse – um dos principais lançamentos da indústria automotiva nacional para este ano.

Totalmente desenvolvido na América do Sul e para atender às demandas da região, em especial, o mercado brasileiro, o novo C3 exigiu uma atenção maior da Citroën, que decidiu expandir seus processos habituais de criação e produção, trabalhando com as equipes locais para definir um veículo único, feito sob medida. A próxima geração do C3 é o primeiro modelo do projeto C-Cubed – apresentado em 2019 –, prevendo o lançamento de uma família de três veículos com foco no mercado internacional até 2024, com três critérios predominantes: criar uma oferta competitiva, com um estilo forte e estender a experiência da Citroën concebida para adaptar-se às especificidades dos países-alvo. “Para produzir o novo C3, a fábrica de Porto Real (RJ) passou por uma profunda transformação industrial nos últimos anos”, afirmou Antonio Filosa, CEO da Stellantis na América do Sul.

Leia Mais

Primeiro modelo totalmente elétrico da Volvo Cars chega ao Brasil

O novo C3 tem um capô elevado e uma estrutura dianteira que reforça a impressão de largura, se mantendo fiel ao padrão de formas da Citroën, com modelagens amplas e superfícies esculpidas em várias partes. Outros atributos da marca francesa estão na forma do capô moldada junto ao logotipo da fabricante e ao desenho da grade dianteira, trazendo a parte frontal com uma assinatura luminosa em dois níveis, com os duplos “chevrons” transformando-se em barras cromadas e se estendendo ao longo de toda a largura do veículo, passando pelos faróis, antes de se separar e formar um “Y” nas extremidades. Os faróis são compostos por dois elementos separados, com as luzes altas e baixas, os indicadores de direção e as luzes de circulação diurnas (DRL) no nível superior. A assinatura luminosa traseira reproduz as duas linhas horizontais, formando um triângulo.

Macaque in the trees
A Citroën não mostra, mas promete um design interno remetendo às características dos SUVs, incluindo a posição de dirigir mais alta - Divulgação

A Citroën não mostra, mas promete um design interno remetendo às características dos SUVs, incluindo a posição de dirigir mais alta. Por fora, as laterais são musculosas, com painéis de proteção esculpidos na carroceria e nos para-lamas robustos. As grandes rodas, a altura livre do solo elevada, as molduras pretas das caixas e as barras de teto também são elementos inspirados nos utilitários esportivos. Segundo a marca francesa, a altura livre do solo foi projetada para evitar choques em estradas de várias condições de rodagem, assim como os ângulos de ataque (dianteiro) e de saída (de trás). Esses detalhes foram estudados para garantir um modelo robusto e adequado às condições de trafegabilidade brasileiras. Na América do Sul, as calçadas particularmente altas influenciaram a definição dos para-choques.

Em questão de “vestimenta”, o novo C3 tem uma paleta variada de cores, assim como um catálogo de acessórios bem dotado para a customização. De acordo com a Citroën, a escolha de cores, dos materiais e sua resistência e os acabamentos foram definidos pelas equipes locais para mais bem se ajustar às preferências dos clientes de cada país. O novo carro terá uma carroceria de duas cores, com uma linha de separação bem nítida entre a parte de baixo e a capota. Dessa forma, treze combinações estarão presentes na América do Sul, incluindo veículos de cor única, dependendo da versão. Todo o interior do novo carro tem como base a palavra da marca francesa, pois o conteúdo da cabine não foi divulgado em imagens na pré-estreia.

 

Galeria de Fotos

Comentários

Tops da Gazeta