Publicidade

X

Consequências

1 em cada 10 estudantes brasileiros não se sente seguro na sala de aula, diz Pisa

Essas informações ganham importância no Brasil em razão da onda de ataques em escolas intensificado desde o ano passado.

ISABELA PALHARES E PAULO SALDAÑA - Folhapress

Publicado em 05/12/2023 às 22:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Mais da metade dos 36 casos de violência extrema registrados em escolas brasileiras desde 2001 ocorreram a partir do ano passado / Sirichai Maiduang/Pexels

O Pisa 2022, divulgado nesta terça-feira (5), trouxe dados sobre a sensação de segurança dos estudantes. No Brasil, 10% não se sentem seguros dentro da sala de aula, índice superior à média dos países ricos, membros da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), de 7%.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Essas informações ganham importância no Brasil em razão da onda de ataques em escolas intensificado desde o ano passado. Mais da metade dos 36 casos de violência extrema registrados em escolas brasileiras desde 2001 ocorreram a partir do ano passado.

Todos tiveram como autores meninos e homens que passaram por sofrimento no ambiente escolar. O cenário evidencia a necessidade, segundo especialistas, de pensar sobre as relações dentro das escolas e agir de diferentes formas para evitar situações que resultem em sofrimento para alunos e, inclusive, em ataques.

Em países como Jamaica e Moldávia, essa insegurança dentro da sala de aula atinge 15%. Por outro lado, em nações como Portugal, Suíça e Sérvia menos de 5% dos alunos relatam essa condição.

Com relação a outros espaços dentro das escolas, 13% dos estudantes brasileiros sentem-se inseguros em locais como corredor, refeitórios e banheiros. Contra 10% na média da OCDE.

Esse indicador do Brasil, sobre medo nos locais da escola, é igual ao registrado entre estudantes dos Estados Unidos, por exemplo, país que convive há décadas com vários ataques.

Mas a maior insegurança é no caminho para a escola. No Brasil, 19% dos estudantes relataram não se sentir seguros nesse trajeto. Essa taxa é o dobro da registrada na média dos países da OCDE, de 8% -nos Estados Unidos somente 4% dos alunos têm essa sensação.

E essa insegurança não tem a ver apenas com o clima escolar, mas também impacta no desempenho.

"As estatísticas [do Pisa] mostram que os alunos que não estão seguros estão menos felizes com a sua vida, tem mais ansiedade matemática e menor aprendizado", disse Andreas Schleicher, diretor de educação da OCDE, nesta terça-feira. Ele participou, por vídeo, da entrevista coletiva comandada pelo ministro da Educação, Camilo Santana, em Brasília.

Também sobre essa questão, Camilo disse que o governo Lula (PT) tem realizado ações para lidar com a questão da violência na escola, como a elaboração de guias, protocolos e também a liberação de recursos para as escolas.

"O Brasil ainda tem percentual significativo de pessoas que não se sentem seguras, inclusive no trajeto de ida para escola. É um fenômeno que o país precisa enfrentar na escola e também fora dela", disse o ministro nesta terça.

O Pisa é a maior e mais importante avaliação internacional de desempenho educacional. Além de avaliar as disciplinas de matemática, leitura e ciências, o instrumento também colhe outras informações relevantes sobre o tema.

No Brasil, 10.798 alunos, de 599 escolas, completaram a avaliação, representando cerca de 2,2 milhões estudantes de 15 anos (estima-se que 76% da população total de jovens de 15 anos).

O Brasil também tem maiores proporções de estudantes que relatam casos de bullying, na comparação internacional. Cerca de 22% das meninas e 26% dos meninos relataram terem sido vítimas de atos de bullying pelo menos algumas vezes por mês. A média da OCDE é 20% para as meninas e 21% para os meninos.

Mas na comparação com os dados do exame anterior, de 2018, a situação melhorou. Tanto no Brasil quanto na média internacional dos países ricos.

Por aqui, 9% dos estudantes relataram que outros estudantes espalharam boatos desagradáveis sobre eles em 2022. Eram 14% em 2018. Essa proporção passou de 11% para 7% na média da OCDE.

Os dados do Pisa 2022 mostram que a crise sanitária teve um impacto global negativo sem precedentes, com queda significativa na nota média dos países membros da OCDE nas três áreas avaliadas. Em matemática, houve uma redução de 15 pontos entre 2018 e 2022 -o que representa uma perda de mais de meio ano de aprendizado na disciplina.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Esportes

Corinthians é eliminado do Campeonato Paulista

Agora, o clube terá que conquistar a vaga na Copa do Brasil de 2025 de outro jeito

Mundo

Pesquisa afirma que Trump tem 48% das intenções de voto nos EUA

Os resultados mostram que 48% dos entrevistados afirmaram que votariam em Trump

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter