últimas notícias
Cabral mencionou Crivella (foto) ao comentar o caixa dois de 
R$ 6 milhões pago por empresários a Paes naquela disputa
Cabral mencionou Crivella (foto) ao comentar o caixa dois de R$ 6 milhões pago por empresários a Paes naquela disputa
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Crivella recebeu US$ 1,5 milhão para apoiar Paes, diz Cabral

Crivella recebeu dinheiro para apoiar Eduardo Paes (DEM) no segundo turno da eleição municipal de 2008, segundo Cabral

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB) afirmou na sexta-feira que o prefeito Marcelo Crivella (PRB) recebeu US$ 1,5 milhão para apoiar Eduardo Paes (DEM) no segundo turno da eleição municipal de 2008. De acordo com Cabral, Paes sabia da negociação e participou do encontro que precedeu o pagamento. Segundo o emedebista, preso desde novembro de 2016, o responsável por pagar a quantia foi o empresário
Eike Batista.

O ex-governador é interrogado na ação penal da Operação Ponto Final, que investiga propina paga por empresários de ônibus. Ele é acusado de cerca de R$ 145 milhões do setor. Cabral mencionou Crivella ao comentar o caixa dois de R$ 6 milhões pago por esses empresários a Paes naquela disputa. Naquela eleição Crivella havia ficado em terceiro lugar no primeiro turno. A disputa final foi entre Paes e o ex-deputado Fernando Gabeira (PV).

Segundo o relato de Cabral, Crivella o encontrou no início da campanha do segundo turno no Palácio Laranjeiras para relatar que o empresário Armínio Fraga havia lhe oferecido US$ 1 milhão para apoiar Gabeira, a quem apoiava naquela disputa.

Ele disse ter, inicialmente, procurado o empresário Jacob Barata Filho, dono de empresas de ônibus, para cobrir o valor. Cabral declarou que o interlocutor disse que não poderia pagar a quantia porque já havia repassado R$ 1 milhão para Crivella no primeiro turno. Nesse momento, o ex-governador afirma ter recorrido a Eike. Foi marcado um encontro no dia seguinte na casa do empresário para acertar o pagamento num café da manhã às 6h30.

"Às 6h Eduardo Paes foi à minha casa. Contei para ele a situação toda. Combinei com o Eike que não iria tocar no assunto de forma mais comezinha. Deixaria ele a vontade. Crivella chegou junto com Mauro Macedo. Falamos por 20, 30 minutos e depois agradecemos pelo apoio", disse ele.

Cabral disse também que o ex-presidente Lula foi informado do trato. Ele foi comunicado por Cabral após comentar queixa de Crivella de que não conseguia espaço na gestão Paes. "Eu comuniquei ao presidente Lula. 'Me desculpe, mas eu comprei o apoio do Crivella'. Falei isso dentro do Palácio do Planalto", afirmou o ex-governador. As defesas de Paes, Eike e Crivella, não se manifestaram até a tarde de sexta.

Ministros do STJ.

Cabral disse que foi "achacado" por deputados federais e senadores, além de feito "tratos" com ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e TCU (Tribunal de Contas da União). Sem mencionar nomes, o ex-governador citou os casos ao afirmar que a propina que recebia deixou de ser enviada ao exterior em 2012 para ser distribuída no país. Foi naquele que Cabral começou a sofrer uma dura crise política após a divulgação das fotos do episódio conhecido como "farra dos guardanapos", em que confraterniza com empresários e ex-secretários em Paris.
(FP)

Tops da Gazeta