últimas notícias
Militar resgata bombeiros que trabalhavam na busca de vítimas da barragem de Brumadinho, em 2019
Militar resgata bombeiros que trabalhavam na busca de vítimas da barragem de Brumadinho, em 2019
Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress

Vale prevê gastar até R$ 8 bilhões para encerrar processos

Vale vem negociando acordos com o governo de Minas e outras autoridades para suspender ações sobre o desastre de Brumadinho

A Vale informou em seu balanço de 2019 que vem negociando acordos com o governo de Minas Gerais e outras autoridades para suspender ações referentes ao desastre de Brumadinho (MG) que podem lhe custar até R$ 8 bilhões adicionais. Até agora, a companhia já reservou R$ 29 bilhões em gastos com indenizações, reparações e obras relacionadas à tragédia, incluindo a descaracterização de barragens semelhantes à que se rompeu em janeiro de 2019, deixando 270 mortos.

Segundo relatório de comissão independente contratada pela empresa, divulgado na quinta-feira (20), a Vale sabia das fragilidades da estrutura desde, pelo menos, 2003, e não tomou medidas para tirar instalações operacionais da área de risco.

A Vale diz que não há certeza sobre a conclusão dos acordos e, por isso, os recursos ainda não foram provisionados. Com base nos termos atuais de discussão, o custo dos acordos pode variar entre R$ 4 bilhões e R$ 8 bilhões.

Em teleconferência com analistas, a direção da empresa disse que eventuais negociações para suspender ações judiciais podem reduzir a insegurança jurídica sobre os resultados da companhia e agilizar o retorno do pagamento de dividendos.

"O acordo tem que ser bom para ambas as partes. Se é tão bom para nós suspender as ações, as autoridades estão pedindo algo a mais", comentou o diretor financeiro da companhia, Luciano Siani.

Assim que forem anunciados, os custos passam a ser provisionados em balanço.

As primeiras provisões levaram a companhia a registrar prejuízo de R$ 6,7 bilhões em 2019. Com interrupções em outras minas devido ao aumento das restrições de segurança, a produção de minério de ferro da companhia caiu 21,5% no ano. A Vale espera recuperar parte da produção durante o ano, chegando ao fim de 2020 com 340 a 355 milhões de toneladas. Até dezembro, a companhia quer retomar também as operações na mina da Samarco, em Mariana, onde o rompimento de uma barragem deixou 29 mortos em 2015.

Tops da Gazeta