últimas notícias
No ano passado, Adélio foi absolvido do crime contra Bolsonaro por ser considerado inimputável
No ano passado, Adélio foi absolvido do crime contra Bolsonaro por ser considerado inimputável
Foto: PMMG/Fotos Públicas

Adélio agiu sozinho e sem mandantes no ataque a Bolsonaro, conclui PF

Investigações apontam que não foi comprovada participação de terceiros no ataque a Bolsonaro

A Polícia Federal (PF) concluiu nesta quarta-feira (13) em um segundo inquérito, que o autor da facada contra o presidente Jair Bolsonaro, Adélio Bispo de Oliveira, agiu sozinho e sem mandantes no ataque.

As investigações apontam que não foi comprovada, por exemplo, a participação de agremiações partidárias, facções criminosas, grupos terroristas ou mesmo paramilitares em qualquer das fases do crime (cogitação, preparação e execução). As investigações foram coordenadas pelo delegado Rodrigo Morais e entregue nesta quarta à Justiça Federal em Juiz de Fora.

O segundo inquérito investigou todo o material apreendido com Adélio Bispo, como celulares, documentos e um computador portátil. Foram elaborados 23 laudos periciais e a PF entrevistou 102 pessoas em campo e ouviu 89 testemunhas no inquérito.

O primeiro inquérito sobre o caso foi concluído em setembro de 2018 e já havia considerado que Adélio Bispo agiu sozinho no momento do ataque e que a motivação teria sido “indubitavelmente política”. Com a conclusão do segundo inquérito, a hipótese de um eventual mandante foi descartada.

CASO.

O atentado a Bolsonaro ocorreu em 6 de setembro de 2018, durante um ato de campanha em uma rua do centro de Juiz de Fora. Adélio Bispo foi preso no mesmo dia e teria confessado a facada, segundo a polícia. Em março de 2019, Adélio passou por exames e laudos apontaram que ele tem transtorno delirante permanente paranoide e, por isso, conforme o documento, foi considerado inimputável.

 

Comentários

Tops da Gazeta