últimas notícias

Brasil

A atriz Regina Duarte deixou a Secretaria de Cultura nesta semana
A atriz Regina Duarte deixou a Secretaria de Cultura nesta semana
Foto: Isac Nóbrega/PR

Clima de incerteza

O Guri do Planalto informa tudo que acontece Direto de Brasília

Como já havíamos antecipado nesta coluna, durante esta semana foi confirmada a saída da atriz Regina Duarte da Secretaria Especial da Cultura, após pouco mais de dois meses no cargo. Por mais que ela tenha tentado transparecer que estava feliz, auxiliares mais próximos disseram que ela estava bem abatida e chateada de ter que deixar o governo. O provável novo secretário da Cultura é Mario Frias, também ator de novelas e bolsonarista. Um deputado que se diz “independente” ironizou: “Vai trocar uma atriz de novela das nove por um ator de Malhação”.

Contágio.
Nesta semana o secretário-geral da mesa do Senado Federal, Luiz Fernando Bandeira, testou positivo para o coronavírus e a sessão do Senado Federal da última quinta-feira (21) foi cancelada. A curiosidade é que, segundo o próprio Bandeira, após a confirmação do resultado, ele fez uma tele-consulta com o senador Otto Alencar, que é médico.

Contágio II.
Outra pessoa diagnosticada com Covid-19 nessa semana foi a senadora paulista Mara Gabrilli. Segundo a sua assessoria, ela se encontra isolada em sua casa em São Paulo, e teve perda de olfato e do paladar. A parlamentar contraiu a doença de sua cuidadora.

Novo líder.
Nas próximas semanas deve ser confirmada a troca na liderança do governo na Câmara dos Deputados. Vitor Hugo, atual líder, deve ser trocado por um deputado de algum partido do “centrão”. Alguns deputados mais próximos a Vitor Hugo ainda tentam reverter a situação, mas parece ser uma missão bem difícil.

Mais centrão.
Após o chamado “centrão” indicar cargos dentro do Ministério da Educação, o grupo agora pretende ter indicações aceitas para o Ministério da Ciência e Tecnologia, podendo inclusive substituir o atual ministro Marcos Pontes. O governo está tentando encontrar uma forma de promover uma “saída honrosa” para o ministro, que já foi astronauta.

Enem.
Nesta semana o governo teve mais uma derrota no Congresso, após o ministro da Educação insistir em não alterar a data do Enem, o que prejudicaria muitos alunos. O Senado resolveu agir ao pautar e aprovar projeto que adiava a data do exame. O único voto contrário foi do senador Flavio Bolsonaro. Após a aprovação do projeto, o governo não teve outra saída se não adiar a data da realização do Enem.

Furada.
Esta coluna ouviu a posição dos parlamentares paulistas no Congresso Nacional sobre o feriado prolongado em São Paulo. Quase de forma unânime foi criticada a estratégia adotada pelo prefeito Covas e o governador Doria. Para eles, a sensação de folga estimula de fato as pessoas para irem às ruas.

Sem recesso.
Como adiantado nesta coluna, o presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, anunciou a suspensão do recesso parlamentar do mês de julho, que seria de 17 de julho a 1º de agosto. Segundo fontes ligados a Alcolumbre, a volta aos trabalhos presenciais poderão ser retomados em 1° de julho. Caso ultrapasse essa data, o recesso do final do ano também será cancelado.

"No que depender de mim, tudo será investigado e apurado"
Senador Major Olimpio (PSL-SP), ao comentar estudo que mostra que o governo de São Paulo é o segundo com menor transparência de contratações durante a pandemia do novo coronavirus.

Comentários

Tops da Gazeta