últimas notícias
O incêndio atingiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro,  no dia 
2 de setembro de 2018 e consumiu maior parte do acervo
O incêndio atingiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, no dia 2 de setembro de 2018 e consumiu maior parte do acervo
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

PF descarta crime no incêndio que destruiu Museu Nacional

Polícia Federal concluiu a investigação e atestou que o incêndio não foi criminoso e descartou uma 'conduta omissa’ dos gestores

A Polícia Federal concluiu a investigação sobre o incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, e atestou que o incêndio não foi criminoso e descartou uma 'conduta omissa’ pelos gestores do local. O inquérito foi concluído nesta segunda-feira (6).

De acordo com a perícia técnica-criminal da PF, o fogo começou em um ar-condicionado que ficava localizado no auditório do museu, após um curto-circuito.

O incêndio atingiu o Museu Nacional no dia 2 de setembro de 2018. As chamas destruíram a maior parte do acervo do museu, de cerca de 20 milhões de itens.

Em agosto de 2015, segundo a investigação, o Corpo de Bombeiros havia iniciado uma fiscalização no prédio, que não foi concluída. A corporação puniu o oficial responsável pela inspeção.

A Polícia Federal descartou omissão da ex-diretora do museu, Cláudia Rodrigues, e do reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Leher no incêndio após provas colhidas. Antes do incidente, os gestores iniciaram tratativas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para revitalizar o prédio. Em junho de 2018 o contrato foi assinado, porém o valor não foi desembolsado antes do incêndio.

Comentários

Tops da Gazeta