últimas notícias
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que vai manter o programa Bolsa Família
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que vai manter o programa Bolsa Família
Foto: Marcos Corrêa/PR

Bolsonaro proíbe falar em Renda Brasil e diz: 'vamos continuar com o Bolsa Família'

Bolsonaro também ameaçou com "cartão vermelho" integrantes da equipe econômica que defenderem medidas como o corte de benefícios de aposentados

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta terça-feira (15) que vai manter o programa Bolsa Família e que “está proibido” falar em Renda Brasil. "Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família. E ponto final", afirmou.

O Renda Brasil chegou a ser discutido no governo para ser o substituto do Bolsa Família, no entanto Bolsonaro e o Ministério da Economia não conseguiram chegar a um acordo sobre os cortes em gastos do governo que deveriam ser feitos para financiar o novo programa.

A declaração do presidente sobre manter o Bolsa Família foi divulgada em um vídeo nas redes sociais. Na gravação, Bolsonaro também ameaçou com "cartão vermelho" integrantes da equipe econômica que defenderem medidas como o corte de benefícios de aposentados e deficientes.

A medida, que vinha sendo estudada pela Economia e pela Cidadania, poderia gerar uma economia de R$ 10 bilhões por ano. O objetivo seria endurecer a regulamentação dos critérios para recebimento do BPC (Benefício de Prestação Continuada).

Bolsonaro disse ter ficado "surpreendido" ao ler as manchetes dos jornais desta terça-feira sobre as medidas da equipe econômica, entre elas o congelamento das aposentadorias e pensões por dois anos. A ideia de congelar os benefícios previdenciários por dois anos foi confirmada pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues. A medida atingiria tanto quem ganha um salário mínimo (hoje, em RR$ 1.045), como quem recebe acima disso e permitiria, inclusive, benefícios menores que o piso - o que é proibido atualmente.

"Eu já disse há poucas semanas que jamais vou tirar dinheiro dos pobres para dar para os paupérrimos. Quem por ventura vier propor a mim uma medida como essa eu só posso dar um cartão vermelho para essa pessoa", disse o presidente.

Bolsonaro ainda ressaltou que quem defende a proposta "não tem um mínimo de coração" e "um mínimo de entendimento" de como vivem os aposentados no Brasil. No Twitter, ele acrescentou que congelar aposentadorias e cortar auxílios é um "devaneio de alguém que está desconectado com a realidade".

*Com informações de Folhapress

Comentários

Tops da Gazeta