últimas notícias
Saturno (em cima) e Júpiter (abaixo), vistos ao pôr-do-sol em Virgínia (EUA)
Saturno (em cima) e Júpiter (abaixo), vistos ao pôr-do-sol em Virgínia (EUA)
Foto: Bill Ingalls/Nasa

Estrela de Belém: fenômeno raro acontece nesta segunda-feira

Alinhamento de Júpiter e Saturno poderá ser visto após o pôr do sol

O céu será palco de um evento astronômico raro nesta segunda-feira (21): o alinhamento dos planetas Júpiter e Saturno, os maiores do sistema solar. O evento é conhecido como “Estrela de Belém” ou “Estrela de Natal”.

Apesar de não se aproximarem fisicamente um do outro, os planetas parecerão muito próximos da Terra, fazendo com que seja difícil distinguir um do outro a olho nu.

O encontro entre os maiores planetas do sistema solar acontece regularmente a cada 19,6 anos e é considerado pelos astrônomos como uma das conjunções planetárias mais impressionantes.

O fenômeno ficará visível após o pôr do sol. Os dois planetas só estiveram tão perto nos anos 1623 e 1226.

“No dia 21 será a distância mínima. A olho nu você consegue separar os planetas: Júpiter e Saturno. Júpiter será mais brilhante. A olho nu vai dar para ver, embora não dê para enxergar os detalhes. Com binóculo pequeno você já consegue começar a ver melhor os detalhes", disse o pesquisador do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP (IAG-USP), Felipe Navarete ao “G1”.

"É como se estivéssemos em um carrossel, e os planetas estivessem em outros carrosséis que giram ao nosso redor, com velocidades diferentes. Eventualmente pode acontecer um alinhamento em que vemos um deles passar bem na frente do outro”, explicou o astrônomo da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e Coordenador da Sociedade Astronômica Brasileira, Thiago Signorini à “CNN Brasil”.

De acordo com Signorini, o encontro da estrela será "fácil de assistir, os planetas vão estar baixos no horizonte e se pôr um pouco depois do Sol".

Se não for possível ver o fenômeno desta vez, o evento seguinte com proximidade semelhante acontecerá só em março de 2080.

Comentários

Tops da Gazeta